ONU condena atentados terroristas na Tunísia, Kuwait e França

  • Por EFE
  • 26/06/2015 17h34

Turistas sentam sobre o terraço do Hotel Imperiale MarhabaTuristas em hotel na Tunísia atacado por terroristas

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta sexta-feira (26), “nos termos mais contundentes”, os ataques terroristas ocorridos na Tunísia, Kuwait e França, reivindicando que os responsáveis sejam levados à Justiça.

Através de seu porta-voz, Ban disse que os ataques irão reforçar a determinação da comunidade internacional para combater o terrorismo e derrotar quem busca a “morte, a destruição e a aniquilação do desenvolvimento humano e da cultura”.

O secretário-geral da ONU expressou suas condolências às famílias dos mortos e aos feridos, além de sua solidariedade aos povos e governos dos países afetados.

O Conselho de Segurança da ONU se reuniu pouco depois da condenação de Ban e pediu, também em comunicado, que os responsáveis sejam encontrados e levados aos tribunais.

O principal órgão de decisão da ONU reiterou a necessidade de combater “por todos os meios, de acordo com a Carta das Nações Unidas, as ameaças à paz e à segurança internacionais causadas pelos atos terroristas”.

O presidente da Assembleia Geral da ONU, Sam Kutesa, afirmou que os ataques de hoje em três continentes mostram, mais uma vez, que os países precisam de um “compromisso contínuo e de determinação para conter o extremismo violento e a intolerância”.

Ao menos 37 pessoas morreram em um atentado na cidade turística de Sousse, na Tunísia. No Kuwait, um ataque suicida contra uma mesquita xiita deixou 25 mortos.

Além disso, no sudeste da França, a cabeça de um homem decapitado foi encontrada na entrada de uma usina de gás. Depois, no mesmo local, um homem jogou seu veículo contra vários bujões de gás, provocando uma explosão que deixou duas pessoas feridas.