ONU pede à UE cotas obrigatórias para distribuir pelo menos 200 mil refugiados

  • Por Agencia Brasil
  • 04/09/2015 07h31
Alguns dos 104 imigrantes resgatados pela guarda costeira descansam em Qara Polly

O alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, Antônio Guterres, apelou nesta sexta-feira (4) à União Europeia (UE) para a distribuição de pelo menos 200 mil refugiados, defendendo que todos os estados-membros deviam ter a obrigação de participar neste programa.

“[É preciso] um programa de reinstalação em massa, com a participação obrigatória de todos os estados-membros da União Europeia. Uma estimativa bastante preliminar parece indicar a necessidade de aumentar as oportunidades de reinstalação de até 200 mil lugares”, escreveu Antônio Guterres em comunicado.

“A Europa enfrenta o maior afluxo de refugiados em décadas”, afirmou, ao destacar que “a situação requer um esforço conjunto enorme, impossível com a atual abordagem fragmentada” existente no âmbito da UE.

Migrantes na Estação Ferroviária de Bicske, na Hungria (EPA/Herbert P. Oczeret/Agência Lusa/Direitos Reservados)

Migrantes e policiais durante distribuição de alimentos na Estação Ferroviária de Bicske, na Hungria (EPA/Herbert P. Oczeret/Agência Lusa/Direitos Reservados)

Mais de 300 mil pessoas atravessaram o Mediterrâneo desde o início do ano, e mais de 2.600 morreram no trajeto, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

“Após a chegada às costas e fronteiras da Europa, elas continuam a sua viagem para o caos”, continuou Guterres, denunciando o tratamento indigno que os imigrantes recebem.

Ele explicou que se trata “principalmente de uma crise de refugiados, e não apenas um fenômeno de migração”, porque a maioria das pessoas que chegam à Grécia é oriunda de países onde há conflitos como a Síria, o Iraque e Afeganistão.

O alto comissário acredita que a única maneira de resolver o problema é a implementação de uma “estratégia comum baseada na responsabilidade, solidariedade e confiança”.