ONU pede que países apoiem tratado que põe fim aos testes nucleares

  • Por Agencia EFE
  • 29/09/2015 20h41

Nações Unidas, 29 set (EFE).- A ONU fez um chamado à comunidade internacional nesta terça-feira para que apoie um tratado que proíbe os testes nucleares, aprovado em 1996 e que ainda não entrou em vigor porque faltam países que somem à iniciativa.

“Há muito tempo é necessário um avanço”, afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na abertura de uma conferência para impulsionar o Tratado de Proibição Completa dos Testes Nucleares.

Este acordo foi aprovado pela Assembleia Geral da ONU em 10 de setembro de 1996, mas 20 nações ainda não o ratificaram.

“Próximo de completar duas décadas desde sua negociação, o tratado ainda não entrou em vigor”, afirmou Ban.

“Necessitamos de todas as pessoas nesta sala para que mostrem liderança para acabar os testes nucleares”, acrescentou.

Ban lembrou que este tratado é “essencial” para conseguir um mundo livre de armas nucleares, porque ajudará a garantir “que a comunidade internacional já não seja obrigada a viver à sombra das armas nucleares”.

O secretário-geral da ONU lembrou que mais de 20 países ainda não assinaram ou ratificaram este acordo, entre eles oito que figuram em uma lista especial cuja ratificação é essencial para que o tratado entre em vigor.

Estas oito nações são Estados Unidos, China, Coreia do Norte, Egito, Irã, Israel, Índia e Paquistão.

“Os senhores têm uma responsabilidade especial”, disse Ban a essas nações, sem identificá-las.

Na reunião, a Indonésia e Hungria cederam ao Japão e Cazaquistão a co-presidência do grupo que coordena os esforços para que este convênio entre em vigor.

Os representantes de algumas nações expressaram frustração pelos poucos avanços realizados até agora, que impediram a entrada em vigor de um tratado que pode abrir o caminho para a eliminação das armas nucleares.

O ministro cazaque de Relações Exteriores, Erlan Idrissov, afirmou que deve haver uma gestão “mais agressiva” para que mais nações possam se somar e o tratado entrar em vigor.

É um trabalho difícil, acrescentou, mas “como uma jovem nação, queremos inspirar todos para que se somem a este tratado”, acrescentou o ministro cazaque. “Cazaquistão e Japão têm o direito moral de serem agressivos”, insistiu.

Neste ano, se completa o 70° aniversário do primeiro teste atômico, em um deserto do estado do Novo México (EUA.), em 16 de julho de 1945.

O Japão foi a única nação castigada com bombas nucleares e o Cazaquistão foi palco de 500 de testes atômicos soviéticos durante 40 décadas.

O ministro cazaque lembrou que seu país vem promovendo a iniciativa de conseguir que em 2045 vivamos em um mundo sem armas nucleares, uma meta que qualificou como “muito séria”.

“Esperamos que estes dois anos (quando o Cazaquistão co-presidirá este grupo junto com o Japão) não sejam uma perda de tempo. Sim, podemos ter um mundo sem armas nucleares”, insistiu o ministro parafraseando o lema do presidente dos EUA, Barack Obama.

Por sua vez, o chefe da diplomacia japonesa, Fumio Kishida, propôs uma promoção do tratado “ao mais alto nível possível” e o impulso em grupos sociais para que tenha consciência sobre a importância deste tratado.

“Necessitamos de todas as pessoas para que possa entrar em vigor o tratado”, afirmou o ministro japonês. EFE