ONU pede US$ 1,06 bilhão para resolver crise no Sudão do Sul

  • Por Agencia EFE
  • 14/06/2014 14h50

Juba, 14 jun (EFE).- As organizações humanitárias que trabalham no Sudão do Sul precisam ainda de US$ 1,06 bilhão para enfrentar a atual crise que o país vive, informou neste sábado o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) em comunicado.

A nota detalha que as organizações já arrecadaram US$ 740 milhões para ajudar as pessoas desabrigadas, de um total de US$ 1,8 bilhão necessários neste ano para resolver a atual crise do país.

Além disso, as organizações humanitárias que operam no Sudão do Sul anunciaram hoje um plano de ação para ajudar 3,8 milhões de sul-sudaneses que afrontam o risco da crise de fome, as doenças e a violência, acrescentou o escritório da ONU.

A nota assinala também que 1,5 milhão dos cidadãos no Sudão do Sul se viram obrigados a se deslocar para outras regiões por causa dos atos de violência.

Enquanto isso, mais de 7 milhões de pessoas enfrentarão a crise de fome e as doenças se continuam os combates neste país.

Além disso, o coordenador humanitário das Nações Unidas para o Sudão do Sul, Toby Lanzer, afirma na nota que “a situação humanitária se deteriora dia após dia depois que tenha começado a chover no Sudão do Sul”.

“O povo vive no barro, com a propagação da cólera e da malária, além das doenças que afetam as crianças, como a desnutrição”, disse Lanzer, que acrescentou também que “milhões de pessoas precisam serviços sanitários urgentes, além de alimentação e água potável”.

Acrescentou que os objetivos que as organizações humanitárias com esse novo plano é proteger os cidadãos, evitar a crise de fome e evitar que ” uma nova geração de crianças seja perdida” nesse conflito.

A crise política iniciada no Sudão do Sul em dezembro passado derivou em um conflito étnico entre comunidades que causou milhares de mortos e colocou o jovem país à beira de uma guerra civil. EFE