Onze tremores de terra de baixa magnitude precederam ruptura em Mariana, diz UnB

  • Por Agência Estado
  • 06/11/2015 16h39
MARIANA,MG,06.11.2015:ROMPIMENTO-BARRAGEM - Vista de área atingida pela enxurrada de lama após rompimento de barragem de rejeitos da mineradora Samarco, em Bento Rodrigues, distrito de Mariana (MG), nesta sexta-feira (6). O acidente aconteceu nesta quinta-feira (5) e inundou várias casas. Cerca de 2 mil pessoas foram atingidas diretamente pela tragédia e precisarão deixar suas casas. (Foto: Bruno Drumond/Futura Press/Folhapress)Tragédia em Mariana

Horas antes da ruptura das duas barragens em Mariana, 11 abalos sísmicos foram identificados na região, afirmou o professor do Observatório de Sismologia da Universidade de Brasília (UnB), George Sand França. Os eventos, de pequena magnitude, ocorreram na região que compreende as cidades de Itabira, Itabirinha e Mariana, disse, num raio de cerca de 100 quilômetros. 

De acordo com o professor, os mais próximos do local do acidente foram identificados às 14h12 e 14h13, com magnitude de 2,5 e 2,7 graus, respectivamente – portanto, duas horas antes do rompimento da barragem. França, no entanto, afirmou que a magnitude dos eventos foi baixa. 

“Por si só, esses abalos não podem ser considerados como causa do acidente”, disse. “Eles podem se somar a outros problemas, mas os abalos não foram decisivos.” Ele observou que obras de engenharia de estruturas semelhantes têm capacidade de suportar tremores com até o dobro de magnitude, 5 graus.

O professor contou que na região não é incomum a ocorrência de pequenos tremores. Em abril, por exemplo, foram identificadas duas ocorrências com magnitude de 2,5 e 3 graus