OPAQ investigará suposto uso de armas químicas no Iraque

  • Por Agencia EFE
  • 17/08/2015 10h17

Bruxelas, 17 ago (EFE).- A Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) expressou nesta segunda-feira sua preocupação pelo suposto uso de armas químicas por parte do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) no Iraque, e garantiu que examinará a informação que receber sobre ataques.

“Recentes informações sobre o possível uso de armas químicas no Iraque por parte de atores não estatais são motivo de grave preocupação”, disse o diretor-geral da OPAQ, o turco Ahmet Üzümcü, em comunicado.

A OPAQ, órgão executor do Convenção sobre as Armas Químicas com sede em Haia, está em contato com o governo iraquiano e examinará “qualquer informação que possa ser compartilhada com os Estados-membros” da organização, afirmou.

Üzümcü lembrou que os Estados parte da Convenção sobre as Armas Químicas consideram o emprego deste tipo de armamento por “qualquer e sob qualquer circunstância, censurável e completamente contrário às normas e aos padrões jurídicos da comunidade internacional”.

O Ministério da Defesa alemão disse na quinta-feira que o EI atacou com armas químicas os peshmerga, os soldados curdos que combatem os jihadistas no norte do Iraque, na cidade de Machmur.

Além disso, segundo o “The Wall Street Journal” e a rede “NBC”, o Departamento de Defesa dos EUA também acredita que o grupo jihadista pode ter usado pela primeira vez gás mostarda na semana passada. EFE