Paciente suspeito de estar com ebola nos EUA diz que experiência foi surreal

  • Por Agencia EFE
  • 10/08/2014 20h23

Nova York, 10 ago (EFE).- Eric Silverman, o homem que permaneceu dois dias isolado em Nova York até ser confirmado que não tinha contraído o vírus do ebola, disse neste domingo que o episódio foi uma experiência “surrealistas”.

Em entrevista ao jornal “Daily News”, Silverman afirmou que nem seus amigos acreditaram quando ele revelou ser o “paciente misterioso” que estava internado no hospital Monte Sinai suspeito de estar com ebola.

Enquanto não se descartou a doença, o hospital não divulgou a identidade do jovem de 27 anos, que retornou em 17 de julho a Nova York após uma estadia em Serra Leoa, um dos países africanos onde a doença se espalhou.

Duas semanas após voltar à cidade -ainda dentro do possível período de incubação do vírus-, Silverman começou a se sentir mal e foi ao médico, que rapidamente o transferiu para o hospital Monte Sinai.

O jovem foi recebido por funcionários coberto com máscaras e isolado do restante dos pacientes.

“Só quando acordei na segunda-feira e não me deixavam sair do quarto soube que algo estava mal”, explicou Silverman, que então se deu conta de que os médicos tinham que o manter em quarentena porque não podiam descartar o vírus do ebola.

O nervosismo do paciente aumentou quando, antes de receber os resultados dos testes de ebola, os médicos disseram que ele não estava com malária, enfermidade que já tinha sofrido e que pensava estar tendo uma recaída.

“Isso me deu um pouco de medo”, admitiu o morador do Brooklyn, que sabia ter estado em uma zona de Serra Leoa afetada pelo ebola em sua última semana no país.

Na quarta-feira, finalmente, os especialistas confirmaram que Silverman não tinha o vírus.

“Quando o médico (Charles) Powell e o presidente do hospital, David Reich, entraram em meu quarto sem vestir trajes especiais, soube que estava limpo”, lembrou.

Silverman, que segundo os médicos provavelmente sofreu uma infecção bacteriana, recupera-se sem problemas e na próxima semana voltará ao hospital para uma revisão. EFE