Papa aceita renúncia do arcebispo da Paraíba acusado de acobertar pedófilos

  • Por Estadão Conteúdo
  • 07/07/2016 08h53
D. Aldo Di Cillo Pagotto

O papa Francisco aceitou, na passada quarta-feira (6), a renúncia do arcebispo da Paraíba, D. Aldo Di Cillo Pagotto, de 66 anos, que dirigia a arquidiocese, desde maio de 2004, e só deveria aposentar-se em 2024, ao completar 75 anos. D. Aldo vem sendo acusado, há três anos, de acobertar casos de pedofilia ao acolher, em sua arquidiocese, seminaristas afastados de outras localidades supostamente pela prática de abusos. 

As denúncias foram investigadas, em 2013, por D. Fernando José Monteiro Guimarães, na época bispo de Garanhuns e atualmente arcebispo do Ordinariado Militar do Brasil como visitador apostólico. Após seu relatório, o Vaticano proibiu D. Aldo de ordenar padres e diáconos e de receber novos seminaristas. Em março último, o arcebispo de Teresina, D. Jacinto Furtado de Brito Sobrinho, foi enviado a João Pessoa para ouvir mais testemunhas do caso.

Segundo a Rádio Vaticano, a renúncia foi aceita em conformidade ao cânone 401 do Código de Direito Canônico, pelo qual “o bispo diocesano que, por doença ou por outra causa grave se tiver tornado menos capacitado para cumprir seu ofício, é vivamente solicitado a apresentar a renúncia do ofício”. O papa nomeou D. Genival Saraiva de França, bispo emérito de Palmares (PE), como administrador apostólico. Ele dirigirá a Arquidiocese da Paraíba até a nomeação do novo arcebispo. 

Em nota divulgada após a nomeação, D. Genival agradece o trabalho de D. Aldo e afirma que a renúncia ao governo diocesano não é demérito para nenhum bispo. O religioso vinha exercendo o cargo de vigário-geral da Arquidiocese de Olinda e Recife e chegará, na próxima sexta (8), à capital paraibana.

Homossexualismo

Além de ser denunciado por ter abrigado seminaristas rejeitados ou expulsos por outras dioceses, D. Aldo foi acusado de ter mantido relações sexuais com um rapaz de 18 anos, em 2015. Ele negou o fato e processou a mulher que o acusou, Mariana José, no Fórum Criminal de João Pessoa. Em sua defesa, o agora arcebispo emérito diz que ela já mudou três vezes sua versão. Em uma delas, a mulher reconhece como sua a assinatura da carta enviada com a acusação ao Vaticano, mas afirma que não conhece os personagens.

O eclesiástico falou à reportagem, mas não deu entrevista, conforme prometeu ao Vaticano, confirmando apenas que está doente, muito abalado com o que vem sofrendo e enfrentando síndrome de pânico. O ex-arcebispo da Paraíba divulgou, no entanto, longa carta aberta aos bispos do Regional Nordeste 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ao clero e aos fiéis do Estado.

Na carta, o vigário diz ter tentado doar o melhor de si, “não obstante as sérias limitações de saúde, ademais das repercussões no equilíbrio emocional causadas pela constante necessidade de superar conflitos inevitáveis e advindos de reações ao meu modo de ser e de agir”, o religioso destaca conflitos, “tomei decisões enérgicas e inadiáveis em relação à reorganização da administração, finanças e recuperação do patrimônio da arquidiocese, sempre em sintonia com o ecônomo. Embora tenha sido exitoso, desinstalei e desagradei muita gente por razões facilmente presumíveis. Tomei posições assertivas diante de políticas públicas estruturais em vista do desenvolvimento integral de nossa gente e de nossa terra. Evitei ficar em cima de muro. Foi inevitável acolher reações e interpretações diferentes, independente de minha reta intenção de não me imiscuir na esfera político-partidária e de jamais almejar algum poder de ordem temporal”, continua o texto. D. Aldo observa, em seguida, que “não tardaram retaliações internas e externas, ademais da instauração de um clima de desestabilização urdida por grupos de pressão, incluindo os que se denominaram ‘padres anônimos’ escudados no sigilo da fonte de informações, obtendo ampla cobertura em um jornal”. 

Sem referência explícita às acusações de pedofilia, o arceisbo afirma que as redes sociais encarregaram-se de espalhar comentários peregrinos e duvidosos. Informa também que a presumida autora da carta com a denúncia é a mesma da denúncia de homossexualismo, adiantando que se mudará da cidade, devendo morar provavelmente em uma casa de sua congregação religiosa (os sacramentinos), mas pretende visitar periodicamente João Pessoa. Na última quarta-feira (6),  pela manhã, D.Aldo se reuniu com o chanceler e com o vigário-geral da arquidiocese para tratar de sua saída.