Papa busca diálogo com países da Ásia com os quais não tem relações

  • Por Agencia EFE
  • 17/08/2014 01h22

Seul, 17 ago (EFE).- O papa Francisco expressou neste domingo seu desejo de que o Vaticano avance no diálogo com os países da Ásia com os quais não mantém relações diplomáticas plenas durante um encontro com os bispos asiáticos em seu quarto dia de visita à Coreia do Sul.

“Tenho a total confiança de que os países deste continente com os quais a Santa Sé não tem ainda uma relação plena avancem sem vacilações em um diálogo que a todos beneficiará”, disse o pontífice em discurso em inglês para um grupo de 65 bispos e cardeais no santuário de Haemi (oeste do país).

O Vaticano não mantém relações diplomáticas com a China, Coreia do Norte e Vietnã embora com o governo de Hanói começaram os primeiros contatos e acordos em relação à nomeação de bispos.

Durante seu voo para a Coreia do Sul na quarta-feira passada, o papa enviou um telegrama com seus “melhores desejos” ao presidente da China, Xi Jinping, e à população do país pouco antes de seu avião sobrevoar pela primeira vez a potência asiática, com o fim de o Vaticano não ter relações diplomáticas desde 1951.

O fato de que Pequim aprove a rota sobre seu espaço aéreo foi interpretada como um sinal de relaxamento nas tensas relações entre China e Vaticano, já que em uma viagem similar à Coreia do Sul em 1989 o país asiático negou essa possibilidade a João Paulo II.

Francisco apostou no “diálogo” durante seu discurso em um santuário dedicado a 132 mártires coreanos e defendeu que a Igreja abra “a mente e o coração” para aceitar pessoas e culturas.

“Neste vasto continente, no qual convivem uma grande variedade de culturas, a Igreja deve ser versátil e criativa em seu testemunho do Evangelho, mediante o diálogo e a abertura a todos. De fato, o diálogo é uma parte essencial da missão da Igreja na Ásia”, assegurou o pontífice.

Também no santuário de Haemi ao qual chegou em helicóptero esta manhã vindo de Seul, Francisco encerrará esta tarde a VI Jornada da Juventude Asiática, o maior encontro de jovens católicos do continente, com uma missa na qual se prevê a preença de até 45.000 pessoas. EFE

raa/ma