Papa diz que não vem ao Brasil e critica “soluções fáceis e superficiais a crises”

  • Por Jovem Pan
  • 18/04/2017 14h39
VAT02 VATICANO (VATICANO) 05/10/2016.- El papa Francisco preside la audiencia general de los miércoles en la plaza de San Pedro en el Vaticano hoy, 5 de octubre de 2016. EFE/Giorgio OnoratiPapa Francisco preside audiência geral na Praça San Pedro

O papa Francisco enviou recentemente carta ao presidente Michel Temer na qual o informa que não virá ao Brasil para as comemorações dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Temer convidou o líder católico no ano passado. As informações são do colunista do G1 Gerson Camarotti. O pontífice alegou que sua agenda é intensa, mas aproveitou a missiva para comentar a crise brasileira e demonstrar preocupação com os mais pobres.

“Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, escreveu Francisco.

“Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”, afirmou o líder religioso.

O papa disse ainda que inclui o Brasil em suas orações e afirmou que pediu a Nossa Senhora Aparecida, quando visitou a basílica no ano passado, que proteja o povo brasileiro “neste momento triste”. Franciso também lembrou de encontro com Temer na despedida de sua viagem ao País em 2013.

Por fim, o papa citou, segundo o jornalista, a Exortação Apostólica “A Alegria do Evangelho”, que escreveu em 2013, na qual diz que “não podemos confiar nas forças cegas e na mão invisível do mercado”. Ele continua em um dos pontos da carta: “O crescimento equitativo exige algo mais do que o crescimento econômico, embora o pressuponha”.