Papa Francisco denuncia instabilidade gerada pelas guerras

  • Por Agencia EFE
  • 25/02/2014 09h43

Cidade do Vaticano, 25 fev (EFE).- O papa Francisco lançou nesta terça-feira uma nova e dura denúncia contra a insensibilidade gerada pelas guerras que ocorrem no mundo todo e destacou que, enquanto os fabricantes de armas festejam, as crianças passam fome nos campos de refugiados.

“Pensai nas crianças famintas nos campos de refugiados e depois pensai nos grandes salões, nas festas organizadas pelos proprietários das indústrias que fabricam armas”, declarou o papa Francisco durante a homilia da missa que celebra a cada manhã em sua residência, a Casa de Santa Marta.

“Os mortos parecem fazer parte de uma contabilidade cotidiana. Já estamos acostumados a ler estas coisas. Se tivéssemos a paciência de enumerar todas as guerras que ocorrem neste momento no mundo, seguramente, preencheríamos várias folhas”, afirmou o papa.

O pontífice lamentou o fato de que, enquanto “se organizam atos para comemorar o centenário da Grande Guerra, com tantos milhões de mortos, e todos nós nos escandalizamos, nada ocorre agora, quando acontece a mesma coisa”. “Parece que a guerra se apoderou de nós!”, exclamou.

Francisco lembrou que sempre a história de Caín, que mata seu irmão Abel, sempre foi vista como um escândalo, mas, agora, nos acostumamos ao fato de “milhões de pessoas matarem seus irmãos” por “um pedaço de terra, por ambição, por ódio e por ciúmes raciais”.

O pontífice também se referiu às “guerras” travadas no seio das famílias. “Quantas famílias destroçadas porque o pai ou a mãe são incapazes de encontrar o caminho da paz e preferem a guerra”, assegurou.

Após o seu sermão, o papa pediu aos católicos que rezem para que a paz, “que se transformou em apenas uma palavra, tenha a capacidade de atuar”. EFE