Papa se reúne com seis vítimas de abusos sexuais cometidos por sacerdotes

  • Por Agencia EFE
  • 07/07/2014 09h16

Cidade do Vaticano, 7 jul (EFE).- O papa Francisco se reuniu nesta segunda-feira na Cidade do Vaticano com seis vítimas de abusos sexuais cometidos por membros do clero e usou uma “linguagem muito dura” contra essas agressões, informou a Santa Sé.

As seis vítimas -três homens e três mulheres cujas identidades não foram reveladas- assistiram a uma missa celebrada pelo pontífice em sua residência, a casa Santa Marta.

Depois, o papa se reuniu em privado com cada um deles e manteve uma conversa acompanhado por um intérprete, segundo indicou à imprensa o porta-voz vaticano, Federico Lombardi.

“É um passo importante em um caminho positivo de saneamento e reconciliação para o futuro”, declarou Lombardi, que contou que as vítimas são dois cidadãos alemães, dois ingleses e dois irlandeses.

Todos os cidadãos em questão chegaram ao Vaticano no domingo, quando já viram o papa argentino, que se reúne pela primeira vez com vítimas de abusos sexuais por parte de membros do clero.

O papa Francisco anunciou que se reuniria com vítimas dessas agressões durante a viagem de volta desde a Terra Santa em 27 de maio, quando disse à imprensa que não toleraria esse tipo de abusos a menores por parte de religiosos.

Um sacerdote que comete esse tipo de ato “trai o corpo do Senhor, como na missa negra”, assegurou então o pontífice, que acrescentou que “sobre isto tem de haver tolerância zero”.

As palavras do papa são reveladas depois que as Nações Unidas considerou que o Vaticano violou a Convenção contra a Tortura nos casos nos quais podia ter impedido abusos sexuais e não fez, ou nas ocasiões em que nem averiguou e nem denunciou os fatos delitivos. EFE