Para oposição síria negociações devem parar se não houver progressos

  • Por Agencia EFE
  • 29/01/2014 17h17

Genebra, 29 jan (EFE).- As negociações diplomáticas entre o governo da Síria e a oposição terão que parar em algum momento se não tiverem progressos, disse nesta quarta-feira um porta-voz da delegação da CNFROS.

“Estamos comprometidos com estas negociações, mas em algum ponto as negociações terão que parar se não houver progressos e o mediador (Lajdar) Brahimi é o principal responsável por fazer isso”, declarou o dirigente opositor, Louay Safi, ao término do sexto dia de negociações em Genebra.

“Em algum momento terá que haver um ponto final. Não podemos estar mês após mês sem conseguir avanços”, continuou.

O porta-voz condenou os bombardeios aéreos lançados hoje pelas forças do governo nos arredores de Damasco, de Aleppo perto de Homs. “Hoje houve bombardeios com barris (de explosivos) em áreas povoadas… isto é contraproducente”, criticou.

Safi disse que a oposição espera que a comunidade internacional exerça “alguma pressão sobre o regime sírio para que pare de matar a sua própria gente”.

Sobre o processo de negociação, o representante da oposição disse que hoje houve um avanço e que este consistiu em “pôr as negociações em seu verdadeiro caminho”, nas discussões que tomam como base o “Comunicado de Genebra”, um roteiro para a transição política e o fim da guerra na Síria.

No entanto, Safi enfatizou que “há uma grande diferença” em relação à ordem em que devem ser discutidos os pontos desse documento, que inclui a formação de um órgão de governo transitório, o assunto prioritário para a oposição. EFE