Paraguai aprova fundo para identificar desaparecidos durante ditadura

  • Por Agencia EFE
  • 09/10/2014 16h14

Assunção, 9 out (EFE).- O Ministério da Justiça do Paraguai aprovou nesta quinta-feira um fundo de US$ 150 mil para realizar as identificações genéticas das ossadas de 27 desaparecidos durante a ditadura de Alfredo Stroessner, informou à Agência Efe o encarregado pelas buscas, Rogelio Goiburu.

Goiburu, diretor de Reparação e Memória Histórica, uma entidade ligada ao Ministério da Justiça, explicou que um convênio foi assinado com o Instituto de Estudos Comparados em Ciências Penais e Sociais do Paraguai (Inecip) para que administre os fundos, bloqueados durante anos apesar dos pedidos das vítimas.

O Inecip disporá agora de metade do dinheiro e a “primeira medida” que tomará será contratar o Instituto Médico Legal argentino para que analise em Assunção as ossadas encontradas durante anos de buscas por iniciativa das famílias das pessoas desaparecidas, disse Goiburu.

“Virão a Assunção para fazer uma primeira análise e depois levarão as amostras pertencentes a 27 indivíduos que encontramos até o momento”, explicou Goiburu, filho de um desaparecido durante a ditadura.

O trabalho consistirá em resgatar material genético e fazer um perfil para ser comparado com as amostras de sangue de 400 familiares, das quais só foram coletadas 80 devido à falta de recursos.

“Ainda há muito caminho pela frente”, declarou.

Goiburu pediu publicamente em várias ocasiões a disponibilização dos recursos, orçados e aprovados há dois anos pelo governo anterior para a identificação de 20 ossadas de pessoas assassinadas pelo regime militar, que agora já são 27.

A Comissão de Verdade e Justiça (CJV) calculou que 425 pessoas foram executadas ou estão desaparecidas e que quase 20 mil foram detidas, sendo que a maior parte delas também sofreu tortura.

Outras 20.814 pessoas tiveram que deixar o país por motivos políticos durante a ditadura de Stroessner. EFE