Parlasul avaliará projeto para unir visão sobre guerra da Tríplice Aliança

  • Por Agencia EFE
  • 18/08/2015 21h57

Montevidéu, 18 ago (EFE).- A Comissão de Educação do Parlamento do Mercosul (Parlasul) avaliará um projeto para buscar uma “interpretação comum” da guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), na qual Brasil, Uruguai e Argentina enfrentaram o Paraguai, informaram nesta terça-feira à Agência Efe fontes oficiais.

Esta proposta foi apresentada pelo parlamentar do partido esquerdista paraguaio Frente Guasú (FG) Ricardo Canese durante uma reunião privada na Câmara, prévia a primeira sessão ordinária deste ano, em Montevidéu, segundo as mesmas fontes. A iniciativa foi enviada ontem para a análise da Comissão de Educação, Cultura, Ciência, Tecnologia e Esporte.

“A guerra da Tríplice Aliança é até hoje objeto de interpretações polêmicas e isto afeta os quatro países fundadores do Mercosul. É como se na Europa não houvesse acordo ao interpretar a Segunda Guerra Mundial. Obviamente, se trataria de um impedimento permanente ao processo de integração da região”, justificou Canese em comunicado.

De acordo com o texto, o parlamentar propõe a realização de seminários e audiências públicas que reúnam historiadores e distintas organizações dos países do bloco para pactuar a visão sobre as causas e consequências da guerra.

“Estes fatos tão bem registrados, evidentes e simples de entender não são estudados nas salas de aula de nossas escolas e universidades da maneira correta e sim de uma forma totalmente distorcidas”, argumentou Canese.

O projeto sugere que até 2020 sejam realizados os encontros com vistas a estabelecer uma “interpretação comum” sobre o conflito bélico no qual o Paraguai perdeu parte de seu território e cerca de metade de sua população após ficar derrotado.

Segundo o comunicado do FG, a ideia é conseguir uma recomendação do Parlasul nesse sentido e, posteriormente, levá-la ao Conselho do Mercosul. Esta Câmara pode fazer somente recomendações a seus países-membros já que não tem competência legislativa.

Em primeira instância, se estabeleceu que as comissões temáticas do Parlasul, que ontem teve a primeira sessão de 2015, se reunirão em 21 de setembro, disseram as fontes oficiais. EFE