Peru executa garantia depois de encerrar contrato com a Odebrecht

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/01/2017 18h40
LIM01. LIMA (PERÚ), 03/01/2017.- Fotografía del edificio de Odebrecht hoy, martes 3 de enero de 2017, en el distrito San Isidro de Lima (Perú). El pasado miércoles el Departamento de Justicia de Estados Unidos publicó un informe en el que señaló que Odebrecht y algunas de sus filiales pagaron aproximadamente 788 millones de dólares en sobornos en 12 países, incluido Brasil, para obtener contratos públicos. EFE/Germán FalcónEFE - Fachada do prédio da Odebrecht em Lima

O governo peruano executou garantias pelos US$ 262,5 milhões que a Odebrecht havia entregado para construir um gasoduto no sul do país, logo depois de ter encerrado o contrato com a companhia brasileira.

O presidente Pedro Paulo Kuczynski disse que a medida busca defender os interesses do país. “De outra maneira os 262 milhões iriam Deus sabe aonde e nós ficaríamos sem nada. Com isso, podemos continuar a obra usando esse dinheiro. Eles terão que chegar a um acordo com os empreiteiros que estão por lá”, destacou o mandatário.

Horas antes, o ministro de Minas e Energia, Gonzalo Tamayo, havia anunciado o término do contrato com a Odebrecht, alegando que os projetos “não vão continuar com os sócios atuais, não conseguiram mostrar que têm financiamento… Não foram capazes de levar adiante um projeto porque o sistema financeiro não crê neles”.

A Odebrecht era um dos três sócios para a construção do Gasoduto do Sul, cujo preço total chegava a US$ 7 bilhões, junto com a espanhola Enagás e a peruana Graña y Montero.

“O consórcio não pôde demonstrar que tinha a obra financiada”, disse Kuczynski. Ele explicou que houve demora na execução da obra, mas ressaltou que vai “reforçar o passo para poder levá-la a cabo no tempo previsto”.

Em dezembro, diante de uma corte dos Estados Unidos, a Odebrecht e a Braskem declararam-se culpadas de pagar subornos em 10 países na América Latina e dois da África.

O governo e o Ministério Público do Peru pediram informações aos Estados Unidos, Brasil e Suíça pelos US$ 29 milhões em subornos que a Odebrecht admitiu ter pago a funcionários entre 2005 e 2014 para adjudicar obras públicas. 

O governo peruano ainda anunciou que a construtora brasileira não poderá participar de futuras licitações e conseguiu um pagamento de quase US$ 9 milhões e o compromisso de entregar informações como indenização pelos escândalos de corrupção gerados por empresas do Peru. 

Empresa deve deixar o país

O presidente do Peru, Pedro Paulo Kuczynski, disse que a Odebrecht deve vender todos os seus projetos no Peru e deixar o país depois de admitir ter pagado US$ 29 milhões em subornos durante três governos, de 2005 a 2014. 

“Infelizmente, eles estão contaminados pela corrupção”, disse. O governo peruano se juntou ao da Colômbia, que disse na semana passada que pretende expulsar a Odebrecht do país.