Plano da UE para Turquia receber imigrantes é falho, diz Anistia Internacional

  • Por Agência Estado
  • 08/03/2016 16h47
Syrian Kurds from Kobani walk to the border fences as seen from the Turkish border town of Suruc in Sanliurfa province, Turkey, June 26, 2015. Islamic State fighters killed at least 145 civilians in an attack on the Syrian town of Kobani and a nearby village, in what a monitoring group described on Friday as the second worst massacre carried out by the hardline group in Syria. Fighting between the Kurdish YPG militia and Islamic State fighters who infiltrated the town at the Turkish border on Thursday continued into a second day, the Syrian Observatory for Human Rights monitoring group and a Kurdish official said. REUTERS/Murad SezerSírios curdos na fronteira com a Turquia nesta sexta

A Anistia Internacional advertiu nesta terça-feira que o acordo da União Europeia (UE) para enviar milhares de imigrantes de volta para a Turquia é legalmente falho.

O grupo de direitos humanos disse em um comunicado que a intenção da UE de designar a Turquia como um país seguro para os imigrantes é “de forma alarmante míope e desumana” porque Ancara não cuidará adequadamente deles.

A chefe do escritório europeu do grupo, Iverna McGowan, disse que a “Turquia a forçada a receber de volta os refugiados em condições desesperadoras, sem habitação adequada”, destacou.

Ela acrescentou ainda que a UE pode acabar terceirizando suas obrigações para a Turquia caso o acordo seja aprovado. 

Os líderes da UE chegaram ontem a um esboço sobre um possível acordo para retornar milhares de imigrantes à Turquia e esperam que este acordo possa ser alcançado na reunião da próxima semana, que irá ocorrer no dia 17.