Polícia encontra armas em casa de acusado na Bélgica por atentados em Paris

  • Por Agência EFE
  • 21/11/2015 15h56
Abdeslam Salah é procurado como um dos suspeitos dos atentados que atingiram Paris nesta sexta

A polícia encontrou armas, embora não explosivos nem coletes-bomba, na casa da terceira pessoa acusada na Bélgica de terrorismo relacionado aos atentados de Paris, informou a procuradoria federal neste sábado (21).

A procuradoria suspeita que o indivíduo detido na quinta-feira, identificado como A. Lazez, tenha dado apoio logístico em Bruxelas a Salah Abdeslam, o “oitavo terrorista” dos atentados de Paris, alvo de um mandado internacional de captura.

Ele é acusado de participar de assassinatos, de militar em uma organização terrorista e de posse de armas não autorizadas.

O jornal “La Dernière Heure” informou se tratar de um homem de 39 anos, de nacionalidade marroquina, que teria ajudado Salah Abdeslam após os ataques.

O suspeito, recenseado em Jette (um dos distritos da região de Bruxelas), foi detido após uma denúncia da polícia.

Ele mencionou o envolvimento do suspeito na Síria, onde estaria um de seus irmãos, e deu pistas sobre um veículo que a polícia confiscou. Trata-se de um modelo de Citroën que está sendo examinado pela polícia científica.

Segundo os primeiros resultados das análises, em seu interior havia traços de sangue e uma arma carregada, que não seria uma Kalashnikov.

Lazez negou ter visto Salah Abdeslam nos últimos dias.

Entre os elementos que a polícia investiga está uma mensagem que este suspeito recebeu no celular quando estava na delegacia da polícia federal, que dizia: “o judeu não está aqui”, algo sobre o que o suspeito não deu nenhuma explicação.

A juíza de instrução do caso considerou que esses elementos são suficientes para ligá-lo aos atentados de Paris, no mínimo por ter prestado apoio logístico e ajuda a Salah Abdeslam.

Ainda segundo o jornal, Lazez é um conhecido da justiça, embora não conste que tenha vínculos com assuntos de terrorismo.

A procuradoria federal havia informado ontem sobre esta detenção, mas não deu detalhes sobre o detido.

Na segunda-feira já haviam sido acusados na Bélgica outros dois supostos terroristas, identificados como Hamza Attouh e Mohammed Amri, de 20 e 27 anos, respectivamente, que estão em uma prisão de alta segurança em Bruges.

Ambos admitiram ter levado Saleh Abdeslam, principal suspeito dos atentados, de carro da capital francesa até Bruxelas na madrugada de sexta-feira para sábado, mas insistiram que não têm nenhuma relação com os ataques em Paris.

O advogado de Amri disse à agência belga que seu cliente recebeu um telefonema de Salah Abdeslam na sexta-feira, que pediu que ele fosse buscá-lo em Paris porque seu carro tinha tido um problema.

Attough também fez o trajeto entre as duas capitais.

Uma vez em Bruxelas, eles deixaram Abdeslam em Moleenbeck, segundo um deles, e nas proximidades do Estádio Roi Baldoine, segundo o outro suspeito