Polícia fará acareação entre controlador e maquinista de trem acidentado no Rio

  • Por Agência Brasil
  • 08/01/2015 18h39

A Polícia Civil pretende fazer uma acareação ainda esta semana entre o maquinista do trem que bateu na composição parada na Estação Presidente Juscelino, em Mesquita, na Baixada Fluminense, e o controlador de trânsito que trabalhava no momento do acidente. Ambos já prestaram depoimento e entraram em contradição.

Na quarta-feira (7) o controlador disse que o trem que bateu no que estava parado ultrapassou o sinal vermelho. Entretanto, ao prestar depoimento na  53ª Delegacia Policial, em Mesquita, na manhã de hoje (8), o maquinista afirmou que tinha o apoio do controlador de tráfego para ultrapassar o sinal. O acidente ocorreu na noite de segunda-feira e deixou mais de 200 feridos.

Hoje, 50 vítimas da colisão também prestaram depoimento. Elas viajavam na composição que estava parado e  disseram, entre outras coisas, que o trem demorava muito em cada estação, cerca de 20 minutos. No entanto, em sua declaração à polícia nessa quarta-feira, o maquinista disse que fez uma viagem tranquila, sem nenhum tipo de problema, até o momento da colisão. Por causa da contradição, a polícia decidiu ouvir outra vez o condutor do trem.

Segundo a SuperVia, no dia do acidente chovia forte na Baixada Fluminense e por casa disso os trens, por medida de segurança, trafegavam com velocidade reduzida.