Polícia inaugura laboratório que permite identificar mortos com rostos deformados em SP

  • Por Jovem Pan
  • 16/04/2014 08h17

A polícia paulista inaugurou o primeiro laboratório de artes forenses do Brasil para identificar mortos com rostos deformados. Ele possui softwares de ponta, um deles usado no premiado filme “Avatar”, e outros criados por especialistas do FBI.

O laboratório instalado no DHPP foi testado com sucesso, recentemente, ao reconstituir com precisão a face de motorista esquartejado em São Paulo. Respondendo a André Aguiar, o delegado geral da polícia paulista, Maurício Blazek, apostou na celeridade no esclarecimento de alguns crimes.

*Ouça os detalhes no áudio

A diretora do DHPP Elizabeth Sato explicou que o laboratório foi testado em oito meses de trabalho para reconstituição do rosto de menina de cinco anos. A delegada enfatizou que o esforço teve êxito e que o laboratório já pode garantir elevado nível de acerto.

Elizabeth Sato quer descobrir a identidade da menina sepultada com o número 179/2012 e batizar o laboratório com o nome dela.

A diretora do DHPP acrescenta que os novos equipamentos de imagem custaram R$ 160 mil e devem poupar muito mais nas investigações.