Policial que atirou contra criminoso detido em perseguição foi preso, diz secretário

  • Por Jovem Pan
  • 24/06/2015 09h58

Imagens gravadas pelos cinegrafistas mostram que o policial continuou a atirar contra os assaltantes quePerseguição São Paulo

O policial militar que efetuou os disparos contra um dos criminosos detidos após perseguição nesta terça-feira (23) em São Paulo foi preso disciplinarmente. Em entrevista a Jovem Pan, o secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, afirma que a conduta do PM foi abusiva. “Não há nenhuma possibilidade do policial, após já ter rendido os criminosos, cometer algum abuso”, diz.

O secretário também garante que ele já foi retirado do exercício de suas funções. “A alegação do policial é que houve um disparo acidental, o que não me parece à primeira vista, até pela posição de tiro. Nós vamos apurar e ele vai continuar preso e afastado enquanto não houver a apuração total”, expõe.

O caso aconteceu na zona sul da capital paulista e teve início depois que dois criminosos roubaram uma moto. Policiais militares foram acionados e deram início à perseguição. Os bandidos fugiram e a cena foi acompanhada por helicópteros de emissoras de televisão. Eles seguiram em direção ao Jardim São Luís pela Avenida Maria Coelho Aguiar, onde o garupa teria atirado contra o PM, mas este não foi atingido.

Após esse primeiro disparo, eles continuaram com a fuga pela Rua Gastão Raul de Forton Bousquet, no Jardim Ipê. Já na Rua Olímpio Rodrigues de Araújo, no Jardim Macedônia,  o garupa retirou o capacete e o arremessou contra o policial, mas errou. O PM aproveitou para efetuar disparos, atingindo os fugitivos; descontrolada a moto bateu contra um poste, derrubando os dois suspeitos.

Imagens gravadas pelos cinegrafistas mostram que o policial continuou a atirar contra os assaltantes que, aparentemente, já estavam dominados. Em seguida, o agente desceu da moto, pegou a arma que estava com um dos ladrões e efetuou pelo menos um disparo com ela em direção ao chão.

Os feridos foram encaminhados, em estado grave, ao pronto-socorro do Campo Limpo, onde continuam internados. O caso foi registrado no Quadragésimo Sétimo Distrito Policial, do Capão Redondo, mas ainda não foram divulgados detalhes do boletim de ocorrência. A Corregedoria da Policia Militar de São Paulo também vai investigar se houve excesso por parte do policial da ROCAM.