Política econômica continua seguindo sequência para melhora da renda, diz Barbosa

  • Por Estadão Conteúdo
  • 06/05/2016 13h15
Brasília - O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, fala sobre proposta de readequação da meta fiscal para 2016 (Wilson Dias/Agência Brasil)Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou, nesta sexta-feira (6), que a política econômica do governo tem uma sequência predefinida de ações para a estabilização da renda e do emprego. O ministro anunciou a correção da tabela do Imposto de Renda e medidas compensatórias para a perda de R$ 5,2 bilhões, conforme antecipou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. O dirigente da Fazenda disse ainda estar trabalhando para anunciar, nas próximas semanas, medidas para aumentar transparência da tributação e do gasto público.

Na avaliação do ministro, a proposta de correção da tabela do Imposto de renda é neutra, já que, ao anunciar a correção da tabela do IR, Barbosa publicou medidas arrecadatórias. “É uma proposta responsável do ponto de vista fiscal”, afirmou.

De acordo com Barbosa, os principais desafios da economia brasileira estão cotados em moeda doméstica e consistem em equilibrar o orçamento e a dívida pública. “O governo brasileiro, o estado e a sociedade têm todos os instrumentos necessários”, ponderou, antes de ressaltar que a necessidade imediata é a recuperação do emprego e crescimento “de maneira consistente com a estabilidade fiscal”.

Barbosa lembrou que várias medidas têm sido tomadas, como o acordo que o governo assinou junto ao poder judiciário e setores privados para melhorar as regras de distrato, segurança e regulamentação de fundos de aplicação em renda fixa, reafirmando que o lançamento do plano de agricultura familiar e do Plano Safra darão bons frutos à economia. “A Fazenda apresentou no Confaz uma proposta de convalidação dos incentivos fiscais para eliminar incerteza jurídica”, disse. 

Ao finalizar as declarações, o ministro enfatizou que está trabalhando junto ao Banco Central para tentar adotar medidas semelhantes às famílias. “Estamos trabalhando com o BC também, já que todos enfrentam necessidade de melhorar”.