AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve diretor da Prevent Senior; siga

Dossiê enviado à CPI, ao qual a Jovem Pan teve acesso, aponta que empresa utilizou ‘cobaias humanas’ para testar medicamentos do ‘kit-Covid’ e ocultou mortes de pacientes submetidos a este procedimento

  • Por Jovem Pan
  • 22/09/2021 10h13
Reprodução/FacebookCPI da Covid-19 ouve, nesta quarta-feira, o diretor-executivo da Prevent, Pedro Batista Júnior

A CPI da Covid-19 ouve, nesta quarta-feira, 22, o diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Batista Júnior. Ele deveria ter sido ouvido na última quinta-feira, mas não compareceu porque alegou que não teve “tempo hábil” para viabilizar sua ida ao Senado. Júnior chega à comissão amparado por um habeas corpus que lhe garante o direito de permanecer em silêncio em perguntas que possam incriminá-lo. O requerimento de convocação do executivo foi apresentado pelo senador Humberto Costa (PT-PE). O petista também informou aos senadores que havia recebido um dossiê, assinado por 15 médicos, que afirma que a empresa utilizou “cobaias humanas” para testar medicamentos comprovadamente ineficazes do chamado “kit-Covid”, ocultou mortes de pessoas que foram submetidas a este tipo de procedimento e orientou os profissionais a não avisarem os pacientes que estariam recebendo estes fármacos.

O conteúdo do dossiê foi revelado na última quinta-feira, 16, pela Globonews. A Jovem Pan confirmou o teor da reportagem da emissora e teve acesso a uma análise do material feita pela comissão. Em um documento de 58 páginas, foram compilados prints de conversas no WhatsApp nas quais dirigentes da Prevent Senior recomendam que os médicos prescrevam medicamentos sem eficácia para o tratamento da Covid-19. “Pessoal, boa noite. Bom plantão a todos, e enfatizo a importância da prescrição da Flutamida 250mg para todos os pacientes que internarem. Estamos muito animados com a melhora dos pacientes. Obrigado a todos”, escreveu o médico Rodrigo Esper. O fármaco, utilizado para o tratamento de câncer avançado de próstata, é contraindicado para o uso em mulheres. Em outra mensagem, outro diretor da empresa pede que os pacientes não sejam avisados sobre “a medicação ou o programa”. “Iremos iniciar o protocolo de hidroxicloroquina + azitromicina. Por favor, não informar o paciente ou familiar sobre a medicação nem sobre o programa”, diz o texto.

O dossiê também afirma que a Prevent Senior fez um acordo com o governo Bolsonaro, no início da pandemia, para disseminar os medicamentos do “kit-Covid”. No material elaborado pela CPI, foram anexados vídeos nos quais Pedro Batista Júnior conversa com Paolo Zanotto, apontado como membro do gabinete paralelo de assessoramento. Na gravação, o virologista diz que os médicos Nise Yamaguchi e Luciano Azevedo “estão em Brasília com o alto escalão do governo” redigindo “protocolos de vários tipos para a aplicação” destes medicamentos. A Prevent “nega e repudia denúncias sistemáticas, mentirosas e reiteradas que têm sido feitas por supostos médicos que, anonimamente, têm procurado desgastar a imagem da empresa”. Acompanhe a sessão ao vivo: