Após críticas, Ministério da Saúde suspende mudanças no sistema de registros de mortes por Covid-19

Em nota, pasta afirma que decisão foi tomada após pedido do Conass e do Conasems ‘pela ausência de comunicado aos Estados e municípios em tempo oportuno’

  • Por André Siqueira
  • 24/03/2021 18h35
ROBSON ROCHA/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDOAlteração no sistema fez número de óbitos despencar em Estados como São Paulo e Mato Grosso do Sul

Após críticas, o Ministério da Saúde anunciou, na tarde desta quarta-feira, 24, que suspendeu as mudanças feitas no sistema de registro de mortes causadas pela Covid-19. As alterações levaram a uma queda no total de mortes em alguns Estados, como São Paulo e Mato Grosso do Sul, por exemplo. “O Ministério da Saúde informa que foi suspenso o preenchimento obrigatório de alguns campos de identificação – número do CPF ou o número do Cartão Nacional do SUS, e se o cidadão for de nacionalidade estrangeira – no Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe), onde é feita a notificação de casos e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)”, diz uma nota divulgada pela pasta.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, a suspensão foi realizada após um pedido do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) em razão da “ausência de comunicado aos Estados e municípios em tempo oportuno”. Como a Jovem Pan mostrou, a mudança no SIVEP-Gripe fez o número de mortes registradas pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo despencar – nas últimas 24 horas, foram reportados 281 óbitos ao Ministério da Saúde, contra 1.021 na última segunda-feira, data com o maior número de óbitos desde o início da pandemia.

Situação semelhante ocorreu no Mato Grosso do Sul. O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado nesta quarta-feira, 24, ressalta que “devido instabilidade do sistema de informação oficial do Ministério da Saúde – SIVEP Gripe, os municípios apresentaram dificuldade no acesso para inserir e encerrar seus casos”. O órgão reportou 20 novos óbitos, mas, segundo o secretário de Saúde do Estado, Geraldo Resende, essa não é a realidade. “Vamos apontar hoje 20 óbitos, o que não é realidade. Nós estamos tendo muito mais óbitos que esses anunciados hoje. Mas é porque o sistema chamado Sivep, está com oscilação, está dificultando a inserção de dados, e certamente amanhã nós vamos ter um número elástico de óbitos já que a nossa média móvel já ultrapassou a 30 óbitos por dia. E a gente sabe que esse número de hoje está a menor, do que o que aconteceu nos últimos dias por essa oscilação do sistema do Ministério da Saúde”, disse ao comentar os números divulgados hoje.