Após reunião com Putin, Bolsonaro agradece ‘defesa da soberania da Amazônia’

Em seu pronunciamento, mandatário brasileiro afirmou que os líderes compartilham de ‘valores comuns’, como a ‘crença em Deus e a defesa da família’

  • Por Jovem Pan
  • 16/02/2022 12h13 - Atualizado em 16/02/2022 14h39
Reprodução/Twitter/Planalto Jair Bolsonaro e Vladimir Putin sentados conversando Jair Bolsonaro e Vladimir Putin se reuniram na manhã desta quarta-feira, 16, no Kremlin

Os presidentes Vladimir Putin e Jair Bolsonaro fizeram uma declaração conjunta à imprensa nesta quarta-feira, 16, após uma reunião de quase duas horas no Kremlin, sede do governo russo em Moscou. Em sua fala, o mandatário brasileiro se manifestou a favor soberania dos países e saiu do roteiro para agradecer Putin por defender a soberania brasileira sobre a Amazônia. “Quando alguns países questionaram a Amazônia como patrimônio da Humanidade, eu quero agradecer a sua intervenção, que sempre esteve ao nosso lado em defesa da soberania”, afirmou o presidente em possível crítica a Emmanuel Macron, da França, e Joe Biden, dos Estados Unidos, críticos da política ambiental brasileira. Durante a conversa de quase duas horas, Bolsonaro enfatizou que os líderes compartilharam de “valores em comum”. “Senhor presidente, compartilhamos de valores comuns, como a crença em Deus e a defesa da família. Também somos solidários a todos aqueles países que querem e se empenham pela paz”, iniciou o chefe do Executivo brasileiro.

O encontro entre o Putin e Bolsonaro acontece em um momento que a Rússia enfrenta uma crise diplomática com países ocidentais. As tensões geopolíticas começaram após a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) aumentar as atividades na Ucrânia. Como resposta, o presidente da Rússia enviou cerca de 100 mil soldados para a fronteira com o país. Antes da chegada de Bolsonaro a Moscou, Putin anunciou a retirada parcial das tropas, diminuindo a ameaça de invasão. A reunião entre os chefes de Estado estava marcada antes da escalada da crise. Desde o início, Bolsonaro reforçou que o encontro não tinha objetivos políticos, mas, sim, comerciais. “O Brasil é uma potencial, em especial no agronegócio. Existe muito interesse da nossa parte no comércio de fertilizantes, o qual sou grato ao prezado amigo. Notamos o interesse russo em plantas habilitadas brasileiras para a aquisição de produtos de origem animal”, disse.

Segundo Bolsonaro, os presidentes também trataram sobre questões energéticas. “No campo da energia, existem amplas oportunidades para ampliarmos os negócios na exploração de gás, petróleo e derivados. Desejamos aprofundar nosso diálogo de alto nível em temas como exploração em águas profundas e hidrogênio. Temos interesse nos pequenos reatores nucleares russos”, citou. A transferência de tecnologia também foi um dos focos do encontro. “Atribuímos elevada prioridade à dinamização da aliança tecnológica entre Brasil e Rússia. Sugeri trabalharmos juntos em áreas de ponta como nanotecnologia; biotecnologia; inteligencia artificial; tecnologias de informação e comunicações; e pesquisa em saúde e oceanos”, elencou o presidente brasileiro. “Temos uma colaboração intensa nos principais foros internacionais como BRICS, G20 e Nações Unidas, onde defendemos a soberania dos Estados, respeito ao direito internacional e à carta das Nações Unidas”, ressaltou Bolsonaro. “Como conclusão, continuaremos a aprofundar e expandir nossa agenda bilateral. Esse nosso encontro de quase duas horas foi bastante profícuo. É sinal que duas grandes potenciais tem muito a avançar, interagir para o benefício dos nossos povos”, apontou Bolsonaro. “Pregamos a paz e respeitamos todos aqueles que agem dessa maneira, afinal de contas, esse é o interesse de todos nós: paz para o mundo”, finalizou.