CPI do MST: Salles diz que vai ao Conselho de Ética contra deputada do PSOL após ser chamado de ‘bandido’ e ‘marginal’

Talíria Petrone citava acusações sobre esquema de exportação de madeira ilegal quando ofendeu o relator da comissão na sessão desta terça-feira, 23

  • Por Brasília
  • 23/05/2023 16h13
Elaine Menke/Câmara do Deputados Deputada discursa no plenário da Câmara Bate-toca entre Talíria e Ricardo Salles ocorreu na tarde desta terça-feira, 23

O deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) afirmou que irá entrar com representação no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados contra a deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) após ser ofendido pela parlamentar durante bate-boca na sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do MST, desta terça-feira, 23. Salles, que é relator do colegaido e ex-ministro do Meio Ambiente, foi chamado por Petrone de “bandido” e “marginal” quando a deputada usava seu tempo de oratória e citava as acusações na Justiça contra ele quando ministro de Jair Bolsonaro. Salles deixou o cargo no Meio Ambiente em 2021 por suspeita de favorecer madeireiros após investigações do Supremo Tribunal Federal (STF), por envolvimento em esquema de exportação de madeira ilegal.

“Não é injúria tratar de fatos. E fato é que o relator desta comissão é acusado de fraudar mapas, de ter relação com garimpo ilegal. Na época em que era ministro do Meio Ambiente, foi reportado sobre madeira ilegal, ele nem ligou, porque não defende o meio ambiente. Então, contra fatos não há argumento”, disse Talíria Petrone, que na sequência, já com o microfone desligado, disparou as ofensas contra o parlamentar. Diante da confusão, o presidente da CPI, deputado federal tenente-coronel Zucco (Republicanos-RS), passou a palavra para o relator, que pediu que as falas da parlamentar fossem extraídas para representação à comissão de ética da Casa.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.