Em carta, cúpula do PSDB pede permanência de Leite: ‘Não admitimos a possibilidade de o perdermos’

Governador foi convidado por Gilberto Kassab para se filiar ao PSD e disputar a Presidência da República pelo partido

  • Por Jovem Pan
  • 18/03/2022 15h50 - Atualizado em 18/03/2022 16h08
EDUARDO RODRIGUES/AGÊNCIA PIXEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 17/01/2022 O governador do Estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, participa da inauguração do voo direto pela Gol Linhas Aéreas entre Pelotas e Guarulhos, no Aeroporto Internacional João Simões Lopes Neto, em Pelotas Eduardo Leite disputou as prévias do PSDB, porém perdeu para o governador de São Paulo, João Doria

Lideranças do PSDB divulgaram nesta sexta-feira, 18, uma carta aberta pedindo a permanência do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, no partido. Após ser preterido pelo governador de São Paulo, João Doria, durante as prévias da legenda para definir o pré-candidato ao Palácio do Planalto, Leite foi convidado por Gilberto Kassab para se filiar ao PSD e disputar a vaga pelo Palácio do Planalto. Desde então, ex-presidentes do PSDB, senadores e deputados que apoiaram Leite nas prévias tentam convencer o governador de ficar no partido. Na última terça-feira, 15, ele se reuniu com a cúpula do PSDB para apresentar suas condições: que o PSDB “zere o jogo”.

Como a candidatura de Doria ainda não decolou em razão da alta rejeição do paulista nas pesquisas, Leite espera que o PSDB abra caminho para que ele entre na disputa pela vaga de postulante da terceira via – PSDB, União Brasil e MDB devem realizar uma eleição para escolher um candidato único do bloco. A ideia de Leite é entrar no pleito como uma das opções do PSDB. Na carta, a cúpula do PSDB se diz orgulhosa da trajetória de Leite, que foi vereador, prefeito e governador pelo PSDB. “Em todas essas etapas, de uma escalada absolutamente exitosa, encontramos sua marca registrada, composta pelas necessárias virtudes para o exercício da política: honradez, compromisso, determinação, preparo e competência”, diz o texto, que faz um apelo: “O futuro do Brasil está em jogo”.

Os membros ainda enfatizam que o momento é de união em torno de um partido que “recoloque a Nação no caminho certo”. “A maioria dos brasileiros, cansada de tanto extremismo, está à espera do retorno à normalidade, e, nessa direção, de alguém que possa liderar uma campanha, ao mesmo tempo, empolgante, propositiva e viável”, continua o documento. “Não admitimos a possibilidade de o perdermos nesse momento crucial para a história do Brasil. O movimento cresce. Reuniremos as forças necessárias, a missão será dada, e, certamente, como de costume, vitoriosamente cumprida. Estaremos juntos”, finaliza. A carta aberta foi assinada por 28 membros do PSDB, entre eles o presidente da sigla, Bruno Araújo, e outros seis ex-presidentes do partido, como o senador Tasso Jereissati e o deputado federal Aécio Neves – entusiastas da pré-candidatura de Leite – Pimenta da Veiga, Teotônio Vilela, senador José Aníbal e o senador José Serra. Até quadros próximos a Doria, como Marco Vinholi, presidente Diretório Estadual, assinaram o manifesto.