Por que 2016 foi um ano tão complicado? Os astros explicam

  • Por Jovem Pan
  • 23/12/2016 14h39
Jovem Pan Imagem - 2016 - retrospectiva

O ano de 2016 está acabando. Repita com a gente: Dois mil e dezesseis está finalmente acabando! E não foi só você que não curtiu. Crise econômica, tragédias, atentados, mortes e confusão, muita confusão.

Mas afinal, será que dá pra explicar o que ocorreu nos últimos meses? Foi tudo uma grande coincidência ou estava escrito? Para tentar esclarecer essa questão, a Jovem Pan foi atrás de especialistas em Astrologia, Tarot e Numerologia.

Confira:

Ano de conclusões

Na Numerologia, a conta é básica: 2016 foi o que chamado “Ano Universal 9”. Basta somar os numerais 2+0+1+6.

O ano 9 é aquele que representa fechamentos de ciclos. Isso explica muita coisa confusa que rolou. Crise política, Lava Jato, terrorismo, aquele casal que você nunca achou que ia se separar e tiveram um ponto final. “Uma pessoa que está no ano 9, que é de fechamento, tem que aguardar e esperar um novo começo. Aquele que as pessoas falam ‘nossa, que ano ruim’, esse que vamos olhar e vemos que é o de limpeza”, diz o numerologista Leonardo de Araujo.

Mas dizem que depois da tempestade vem uma boa notícia, não é? Pois então, some os numerais de 2017: 2+0+1+7 = 10, ou seja Ano 1! Esse é considerado um período de inícios. “Vai estar um pouco melhor, o Brasil começa a andar um pouquinho. Ano 1 é um novo ciclo. Estamos encerrando um ciclo, e fechando com chave de ouro”, completa o numerologista.

Mudanças políticas e terrorismo

Segundo a astróloga Nina Morioka, para interpretar um ano, faz-se o mapa da virada do ano astrológico – que começa em março – e o mapa do ano novo tradicional, acompanhando então os trânsitos dos planetas em cima destes mapas até o próximo ano.

“No mapa de 2016, pela visão do Brasil, podemos ver um foco grande nas relações internacionais, nos conflitos e na insatisfação da população perante o governo e as autoridades”, explica Nina. “O primeiro indício disso é o posicionamento do Plutão astrológico no mapa da virada no signo de Capricórnio na casa 4, aspectando o planeta Urano em Áries na casa 7 e Júpiter na casa 1”, completa.

Não entendeu? Funciona assim, a “casa 4” lida diretamente com a população e suas necessidades. Plutão transitar em Capricórnio apresenta uma ameaça ao poder atual, indicando uma necessária mudança na relação do Estado com a população. Isso te lembra algo que aconteceu no Brasil em 2016? 

A “casa 7”, por sua vez, remete a relações entre diferentes nações, seus acordos, tratados e alianças, também remete a acontecimentos em outros países. Urano é o planeta dos extremos. O seu posicionamento em Áries (o equivalente a Marte – o deus da guerra) se manifestou, em 2016, como o terrorismo.

E, para finalizar, a “casa 1” tem Júpiter, conhecido como o grande benéfico, e danificado no signo de Virgem, que rege a “casa 6”. Esta casa trata do trabalhador, enquanto a “casa 1” trata das imagens do País. “Podemos atribuir isso ao desemprego alarmante e a crise política que chamou a atenção internacionalmente. Esse mesmo posicionamento estava no céu na virada do ano de 1992, quando ocorreu o processo de impeachment de Fernando Collor”, lembra Nina.

Rompimento e desespero nas cartas

“No que diz respeito ao Tarot, uma das várias maneiras de abordar simbolicamente de 2016 se dá pela análise de dois Arcanos Maiores: O Julgamento [carta número 20] e A Torre [carta número 16]”, diz o escritor e especialista em Tarot do portal Personare, Leo Chioda.

A carta d’O Julgamento é associada a mudanças que estão fora do alcance dos homens. “Tudo é posto em xeque, até mesmo o que era considerado morto e enterrado acaba voltando e exigindo compreensão, enfrentamento ou reparação”, explica. Já A Torre é associada a catástrofes e desastres que arruínam os planos humanos.

Olha aqui a prova de que 2016 não foi (nem de longe) tranquilo: combinadas, as duas cartas apontam para um ano de rompimento, desespero e desmantelamento do que já vinha mal, mas que resistia. Palavras de Leo Chioda.
“Essa combinação de cartas é considerada portadora de mudanças, que muitas vezes estão além da nossa vontade ou da nossa capacidade de impedi-las. Os Arcanos apontam para situações inevitáveis, a nível mundial”, ressalta Leo.

Mas espera! Não é de apenas más notícias que queremos falar. Aqui vai uma boa: 2017 tende a ser melhor. Assim como a Numerologia, o Tarot explica. “2017 continua sendo regido pela carta 20, O Julgamento, mas agora com A Estrela, a carta 17. Ela representa não só a renovação como a libertação de diversos fardos. Será um ano de mudanças providenciais em diversas ordens, fazendo com que seja aparente alguma evolução em termos políticos. Tudo tende a se tornar mais claro”, finaliza o tarólogo.