Pré-candidato à Prefeitura, Ricardo Patah aposta em mobilização de sindicatos

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2016 12h59
Ricardo Patah - UGT

O sindicalista Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e pré-candidato do PSD (Partido Social Democrático) à Prefeitura de São Paulo, falou, ao repórter Jovem Pan Marcelo Mattos, sobre suas expectativas para a campanha deste ano.

“Não milito na política partidária, a minha vida é no movimento social e sindical. Mas nós, da UGT, resolvemos participar da atividade política porque achamos fundamental e importante que os trabalhadores tenham assento na Câmara dos Vereadores, na Assembleia Legislativa, nas Prefeituras, na Câmara dos Deputados, em especial, por conta dos projetos que lá são desenhados muitas vezes contra os trabalhadores e as trabalhadoras”, afirmou. Ele garante, porém, que se eleito sua gestão terá uma “abrangência mais ampla” que apenas os sindicalizados.

Ele ressaltou também que a campanha deste ano será “muito rápida” e “diferente” por conta da proibição de captação de recuros com empresas privadas. Por isso, Patah aposta na mobilização dos filiados de seu sindicato.

“No caso da UGT, temos muitos sindicatos na área de comércio e serviços”, disse, citando os padeiros, comerciários, motoristas de ônibus e motoboys.

“O que nós podemos enquanto dirigentes de uma central sindical é ter os nossos sindicatos filiados numa campanha fundamental para colocar uma pessoa de origem social e sindical na maior prefeitura do Brasil”, afirmou Patah.

“O Brasil, quer mudanças; a cidade de São Paulo, mais ainda. Querem arejar, querem ideias novas, querem pessoas que não tenham os vícios da política e que, na realidade, muitas vezes tenha a demagogia”, garantiu também o pré-candidato.

“Vou trazer a transparência, vou trazer o diálogo, vou trazer a percepção e a sensibilidade do que o povo necessita para a maior cidade de nosso País”, prometeu Ricardo Patah.