Prefeito da USP promete limitar acesso de ciclistas na universidade

  • Por Jovem Pan
  • 19/01/2016 11h14

Confusão aconteceu na última semana entre grupo de ciclistas e jornalista

Após incidente com ciclistas na Rádio USP

Na madrugada do último dia 12, uma confusão assustou os funcionários da Universidade de São Paulo (USP). O jornalista Renato Campanhã, da Rádio USP, foi ameaçado após se desentender com um grupo de ciclistas dentro da Cidade Universitária.

“Eu estava chegando na rádio logo cedo, por volta das 5h e ultrapassei os ciclistas, uma coisa normal. De repente parou do meu lado o segurança deles e falou um monte, perguntando se eu queria atropela-los, e eu falei que de forma nenhuma. Aí quando estacionei o carro, ele veio com uma arma automática e disse: ‘você quer levar um tiro’”, contou Campanhã em entrevista ao Morning Show nesta terça-feira (19).

Segundo ele, o mal entendido continuou quando estacionou o seu carro e o segurança invadiu o espaço para continuar as ameaças.

“O cara veio com a arma na mão, entrou dentro do estacionamento da rádio e os ciclistas ficaram fora, na grade, instigando a coisa, falando que eu estava bêbado. Mas você acha que a essa hora eu estaria bêbado? Indo trabalhar?! O vigia já estava chamando a guarda universitária e a PM, quando um senhor entra aos berros e me atacou com a bicicleta”, lembrou.

Não é a primeira vez que casos de violência preocupam a direção. O prefeito do campus, José Antônio Visintin, ressaltou que providências já estão sendo tomadas para evitar que a situação se repita.

“Realmente é um problema sério, eles acham que a USP é lugar público, que é casa de todo mundo e se apoderam, acham que é deles, que basta chegar a qualquer hora e entrar. Vamos fechar. Vou determinar um espaço exclusivo para eles, não vão andar mais por toda a Cidade Universitária. São três pistas, dá para conviver muito bem, mas eles ocupam todo o espaço, então isso será normatizado, eles vão ter o espaço deles, mas será em um local e horário determinado. Quem estiver fora disso, a guarda vai intervir”, completou.