Presidente da Câmara dos Deputados situa pobreza na Argentina em 14,9%

  • Por Agencia EFE
  • 28/03/2015 17h53

Buenos Aires, 28 mar (EFE).- O presidente da Câmara dos Deputados da Argentina, Julián Domínguez, afirmou neste sábado que a pobreza em seu país alcançou 14,9%, de acordo com um estudo realizado pelo Congresso argentino junto à Universidade Católica Argentina (UCA).

“Os dados nos dão 14,9% de pobreza. Esse é um trabalho da Comissão de Saúde e Desenvolvimento Social do Congresso nacional e do Observatório da UCA”, disse ele à rádio argentina “FM Blue”.

“Nós sabemos qual é a pobreza”, acrescentou Domínguez, também pré-candidato do kirchnerismo a governador da província de Buenos Aires nas primárias do agosto.

Com essas declarações, o presidente da Câmara se distanciou do ministro da Economia, Axel Kicillof, que na quinta-feira passada garantiu “não ter o número de pobres” do país.

O ministro foi consultado sobre a falta de publicação de números oficiais com relação à pobreza, devido ao fato do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) deixar de publicar esses dados há mais de um ano. Os últimos levantamentos são do primeiro semestre de 2013.

Segundo a UCA, no final de 2013 pelo menos um de cada quatro argentinos estava em situação de pobreza e 5% eram indigentes.

“Quantos pobres há é uma pergunta bastante complicada. Eu não tenho o número de pobres. Eu acho que essa é uma medição muito estigmatizante”, considerou Kicillof na quinta-feira. EFE