Presidente da Coreia afirma que discurso de premiê japonês “deixou a desejar”

  • Por Agencia EFE
  • 15/08/2015 02h57

Seul, 15 ago (EFE).- A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, disse neste sábado que o discurso pronunciado pelo primeiro-ministro do Jaoão, Shinzo Abe, por ocasião do 70º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, deixa “muito a desejar” e lhe exigiu desculpas “com ações coerentes”.

No discurso pronunciado na sexta-feira, Abe se comprometeu a manter as posturas de governos anteriores, que então lamentaram e pediram perdão pelas atrocidades do Japão imperial em lugares como a península coreana e a China antes e durante a guerra.

Embora o primeiro-ministro tenha pedido perdão pela dor causada, evitou emitir uma contundente mensagem de desculpa durante sua falta, algo que foi criticado hoje pela presidente sul-coreana.

Em seu discurso por ocasião do 70º aniversário da independência sul-coreana (fruto da rendição do Japão em 15 de agosto de 1945), Park instou o governo de Abe a “demonstrar com ações coerentes e sinceras a promessa de herdar o reconhecimento que fizeram anteriores gabinetes” japoneses a respeito das ações do país no passado.

Além disso, Park trouxe à tona novamente o tema das “mulheres de conforto”, eufemismo utilizado para referir-se às centenas de milhares de mulheres, em sua maioria coreanas, que foram recrutadas à força pelo exército imperial para que servissem de escravas sexuais às tropas durante a Segunda Guerra Mundial.

A presidente voltou a exigir que o Japão resolva o assunto, um dos que mais provoca atritos diplomáticos entre ambos países, por meio de um programa de indenizações para as poucas vítimas sobreviventes.

Apesar de serem aliados e importantes parceiros econômicos, as relações entre Coreia do Sul e Japão se esfriaram desde a chegada de Park e Abe ao poder no final de 2012, até o ponto que ainda não foi realizada nem uma só reunião entre ambos. EFE