Programa de bônus economiza 180 bilhões de litros de água, diz Sabesp

  • Por Agência Brasil
  • 31/07/2015 17h11
Sabesp não poderá cortar água em favelas durante pandemia de coronavírus

Em 17 meses, até junho deste ano, foram economizados cerca de 180 bilhões de litros de água em São Paulo com o programa de concessão de bônus para os clientes que reduzem o consumo – revelou hoje (31) a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O desconto passou a ser concedido em fevereiro do ano passado, por causa da falta de chuvas e dos problemas no abastecimento de água no estado.

Segundo a companhia, essa quantidade de água economizada seria suficiente para abastecer cerca de 2 milhões de pessoas e equivale a mais do que todo o Sistema Guarapiranga ou toda a reserva técnica do Sistema Cantareira (somando-se as duas cotas de volume morto) – dois dos oito sistemas que abastecem a região metropolitana de São Paulo.

De acordo com a Sabesp, a adesão ao programa alcançou 83% dos consumidores. No entanto, a companhia não revela, na nota, se a adesão é voluntária (quando o consumidor decide economizar água para receber o desconto em sua conta) ou compulsória (resultado da diminuição da pressão de água, praticada pela empresa, para reduzir perdas de água por vazamentos, o que faz com que residências de várias regiões da cidade fiquem sem água por determinado período do dia).

A região que menos aderiu ao programa, e continua consumindo muita água por imóvel, é a dos Jardins – região de classe média alta. Em compensação, Itaquaquecetuba, Campo Limpo e Guaianazes, na periferia da capital, lideram as reduções no consumo de água.

Apesar da economia, a situação de alguns dos sistemas de abastecimento de água na região metropolitana de São Paulo ainda é considerada crítica. O Sistema Cantareira, por exemplo, ainda opera no primeiro volume morto. Ou seja: no volume de água que fica abaixo da cota mínima de captação. Outro sistema crítico é o Alto Tietê, que hoje opera com 18,3% de sua capacidade.