Putin discute medidas de segurança para Crimeia, em momento tenso com Ucrânia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 11/08/2016 09h51
SER10 SAN PETESBURGO (RUSIA) 17/06/2016.- El presidente ruso, Vladímir Putin, durante una rueda de prensa junto al primer ministro italiano, Matteo Renzi (fuera de imagen), tras su reunión en el marco del Foro Económico Internacional de San Petersburgo (SPIEF), en Rusia hoy, 17 de junio de 2016. EFE/Sergey ChirikovVladimir Putin - EFE

O presidente russo, Vladimir Putin, discutiu, nesta quinta-feira, 11, medidas para reforçar a segurança na Crimeia, um dia após culpar a Ucrânia pela morte de dois soldados russos nesta península do Mar Negro. O presidente russo se reuniu com seu conselho de segurança para discutir “cenários de segurança antiterrorismo na fronteira por terra, mar e no espaço aéreo da Crimeia”, segundo comunicado do Kremlin.

Na última quarta-feira, Putin emitiu uma advertência contra a Ucrânia após o Serviço Federal de Segurança afirmar que um agente foi morto em um incêndio de um grupo de sabotadores organizado e apoiado pela inteligência ucraniana. A agência disse que um soldado russo também foi morto em um incidente separado, quando o lado ucraniano tentava fazer uma incursão na Crimeia.

As acusações pioraram a tensão entre Kiev e Moscou, em meio a um aumento da violência no leste ucraniano, onde separatistas apoiados pela Rússia têm enfrentado as forças ucranianas há dois anos. Putin sugeriu na quarta-feira que “não havia sentido” em realizar uma reunião de ministros das Relações Exteriores de Rússia, Ucrânia, Alemanha e França proposta para setembro para discutir resolução sobre a crise.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, negou as alegações como “absurdas e cínicas” e acusou a Rússia de buscar um pretexto para realizar mais ações militares na Ucrânia. Os confrontos no leste da Ucrânia já deixaram cerca de 10 mil mortos, segundo a Organização das Nações Unidas.