Putin se diz “surpreendido” com “calorosa” recepção na Austrália

  • Por Agencia EFE
  • 18/11/2014 15h38

Moscou, 18 nov (EFE). – O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou nesta terça-feira estar gratamente “surpreendido” com a “calorosa” recepção que teve em Brisbane tanto pelo povo australiano quanto por seus colegas dos países do G20.

“Conheço as declarações do meu colega australiano e como a imprensa cobriu tudo, mas na prática não houve nada disso”, disse Putin em um fórum de política social realizado em Moscou, ao ser perguntado sobre as críticas que recebeu na cúpula do G20 pelo papel de Moscou na crise da Ucrânia.

“Os parceiros australianos criaram um ambiente muito acolhedor para o trabalho, na busca sincera de uma solução aos problemas que a economia mundial enfrenta”, garantiu Putin, sobre a suposta fria recepção.

O presidente russo disse não saber explicar a forma como foi recebido, mas “claro, com aplausos, com sinais de atenção, muito acolhedor”.

Putin minimizou as “declarações belicistas” de outros líderes do G20 e disse que “provavelmente essa é a cultura política com a qual brincam, mas que na vida real não houve nada parecido no trabalho”.

“Discutimos de forma muito construtiva todos os temas, inclusive questões relacionadas a catástrofe do Boeing malaio. Garanto que tudo foi feito não apenas nos limites da cortesia, mas de forma muito amistosa”, ressaltou.

Putin também elogiou o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, que “moderou o evento de forma muito sensata, fez tudo fácil, com um sorriso no rosto, e neste sentido até temos que aprender algo com ele”.

Os meios internacionais informaram no fim de semana passado o desprezo que Putin sofreu na cúpula de líderes e as acusações lançadas logo após chegar sobre a suposta presença de tropas russas no leste da Ucrânia. O Kremlin negou que isso tenha acontecido e minimizou a importância do fato de Putin ter saído de Brisbane antes do fim da cúpula.

Hoje, o presidente russo voltou a insistir que saiu antes porque seu voo para Moscou era às 21h e ele tinha muitas tarefas a cumprir, e acrescentou: “já sei como são estas coisas: mais de 20 pessoas e a saída é por ordem alfabética. Por isso era melhor ir um pouco antes”. EFE