Quadrilha invade o Ceagesp, explode caixas e atira na cabeça de policial

  • Por Jovem Pan
  • 26/08/2015 07h59
SÃO PAULO,SP,26.08.2015:EXPLOSÃO-CAIXAS-ELETRÔNICOS - Quadrilha explode dois caixas eletrônicos dentro da Ceagesp, Zona Oeste de São Paulo (SP), na madrugada desta quarta-feira (26). Parte do bando atirou contra a soldado da Polícia Militar Adriana da Silva Andrade, de 28 anos, atingida na cabeça. No ataque aos terminais, instalados dentro do frigorífico Serbom, participaram pelo menos dez bandidos. A PM foi levada em estado grave para o Hospital das Clínicas, onde passa por cirurgia. . (Foto: Nivaldo Lima/Futura Press/Folhapress)Quadro da Polícia Militar

Policial militar é baleada na cabeça por criminosos em fuga após explosão de caixas-eletrônicos na Ceagesp, na Zona Oeste de São Paulo. O ataque foi promovido por uma quadrilha, formada por pelo menos dez bandidos, e ocorreu por volta de 3h da madrugada desta quarta-feira (26).

Armados com fuzis, os ladrões invadiram a Central de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) pelo portão número 12, com acesso pela pista local da Marginal do Pinheiros. Parte do bando seguiu até o frigorífico Serbom, enquanto os demais ficaram no acesso, dando cobertura.

No frigorífico, os criminosos explodiram dois caixas-eletrônicos do Bradesco e recolheram o dinheiro que havia no cofre. Enquanto isso, uma equipe do Quarto Batalhão, que fazia patrulhamento de rotina e nada sabia sobre o roubo, passou pelo portão 12.

Surpreendidos, os policiais foram alvejados por tiros de fuzil e não tiveram como reagir. Um dos disparos atravessou o para-brisas da viatura e atingiu a cabeça de uma policial feminina.

A soldado Adriana da Silva Andrade, que tem 28 anos e entrou há poucos dias no patrulhamento das ruas, foi socorrida por outra equipe da corporação e levada para o Hospital das Clínicas.

Apesar de o projétil tê-la atingido de raspão, o estado de saúde da policial, que passou por cirurgia, é considerado grave.

Após os tiros, os criminosos fugiram e, até o momento, nenhum suspeito foi preso. O local foi interditado para os trabalhos da equipe de peritos da Polícia Civil, e o caso foi registrado no 91º Distrito Policial, do Ceasa.

Informações do repórter Jovem Pan Paulo Edson Fiore