Quenianos exaltam visita do presidente dos EUA: “Obama está em casa”

  • Por Agencia EFE
  • 25/07/2015 15h40

Alba Villén.

Nairóbi, 25 jul (EFE).- Apesar de ter nascido a 17 mil quilômetros de distância, o Quênia deu calorosas boas-vindas ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que pisa pela terceira vez no país onde nasceu seu pai e onde quase não tem parentes diretos.

Obama pisou em solo africano ontem à noite e, após saudar várias personalidades políticas, abraçou sua meia-irmã, Auma Obama, o que foi visto pelos quenianos nas redes sociais como um verdadeiro símbolo de “família” e “identidade”.

O presidente prescindiu de uma agenda política durante suas primeiras horas em solo queniano e preferiu jantar, em um luxuoso hotel, com seus “familiares” de Kogelo, a remota aldeia na qual nasceu seu pai.

Na mesa estava a terceira esposa de seu avô paterno, Mama Shara, a mulher a quem chama de “avó”, além de sua meia-irmã e outros moradores do povoado.

Ontem o embaixador americano no Quênia, Robert Godec esclareceu que Obama não visitaria o povoado natal de seu pai devido a “problemas logísticos”. Mas se Obama não vai a Kogelo, Kogelo vai a Obama.

O Quênia se empenhou em ressaltar nos últimos dias as raízes do presidente americano acima inclusive do fim de sua visita ao país: participar da Cúpula Global de Empreendedores e recuperar terreno diante da China, protagonista de quase todos os projetos de desenvolvimento realizados em boa parte do continente.

As ruas estão cheias de bandeiras dos Estados Unidos, os matatus (caminhonetes que fazem as vezes transporte público) estão pintados com as cores vermelha, branca e azul e os cidadãos aproveitam a presença de qualquer câmera para gritar “Obama está em casa”.

Mas entre Honolulu, a cidade natal de Obama, e a que os quenianos consideram sua casa há mais de 17.000 quilômetros estão mais de 20 horas em avião e uma diferença cultural abismal.

Obama viu seu pai só uma vez na vida, quando tinha dez anos, mas ele lhe influenciou tanto que, em 1987, viajou pela primeira vez ao Quênia para conhecer suas raízes. No povoado de seu pai seria preciso fazer testes de DNA para distinguir entre parentes distantes e oportunistas.

O certo é que o presidente americano tem uma “avó” e quatro meio-irmãos do primeiro e do terceiro casamento de seu pai. Para os quenianos isto parece ser suficiente.

Obama, com seu habitual carisma, soube responder à expectativa criada pelos quenianos em seu discurso da manhã deste sábado na Cúpula Global de Empreendedores.

O presidente dos Estados Unidos começou sua participação com um “jambo” (saudação em suhaili, o idioma local) que provocou os aplausos e risos dos presentes.

“Estou orgulhoso de estar aqui, é algo pessoal”, comentou o presidente entre uns aplausos e gritos que cortavam suas palavras. EFE