Rebeldes acusam governo sul-sudanês enquanto Kiir e Machar negociam

  • Por Agencia EFE
  • 09/05/2014 14h31

Adis-Abeba, 9 mai (EFE).- Um porta-voz dos rebeldes acusou nesta sexta-feira o governo do Sudão do Sul de violar seu compromisso de cessar as hostilidades enquanto o presidente, Salva Kiir, e o líder rebelde, Riek Machar, se reúnem em Adis-Abeba para fechar um acordo de paz.

O porta-voz militar do partido opositor Movimento de Libertação Popular do Sudão (SPLM, na sigla em inglês), Lul Ruai Koang, denunciou que o governo de Juba está violando o novo documento de compromissos para a cessação das hostilidades estipulado no dia 5 de maio.

Este documento, prévio ao encontro ao mais alto nível que acontece hoje em Adis-Abeba, trazia a obrigação de respeitar “30 dias de tranquilidade” para facilitar a distribuição de ajuda humanitária e a segurança à população civil.

“As forças de Salva Kiir estão atacando nossas forças, com ações no Estado de Unidade, do Alto Nilo e de Jonglei”, disse.

“É a última violação do acordo de cessação das hostilidades e é muito infeliz que o governo tenha começado a fazê-lo outra vez”, acrescentou.

Kiir e Machar estão reunidos no Palácio Nacional da Etiópia, em um encontro patrocinado pelo primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, que também preside o bloco regional mediador nas negociações de paz, a Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (Igad).

Espera-se que ambas as partes assinem um acordo esta mesma tarde, mas a facção rebelde ainda tem dúvidas sobre os compromissos do Executivo de Kiir. EFE