Rebeldes sulsudaneses dizem ter tomado capital de um estado petroleiro

  • Por Agencia EFE
  • 14/01/2014 14h05

Adis-Abeba, 14 jan (EFE).- Os rebeldes do Sudão do Sul disseram nesta terça-feira ter tomado a cidade de Malakal, capital do estado do Alto Nilo, no norte do país, uma das regiões petrolíferas do jovem país africano.

Adis-Abeba, porta-voz rebelde, Lul Ruai Koang, eles “reconquistaram a estratégica cidade de Malakal, capital do estado petroleiro do Alto Nilo”.

Segundo Ruai, os rebeldes avançam na busca das tropas do governo em direção ao condado de Akoka, também no estado do Alto Nilo e ao norte de Malakal.

A afirmação dos sublevados aconteceu no dia seguinte ao retorno na capital etíope, Adis-Abeba, das conversas com o governo sulsudanês, promovidas pela organização Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (Igad), e que têm como objetivo a cessação das hostilidades.

O reatamento das negociações diretas aconteceu após quase uma semana de paralisação por causa da recusa do governo em libertar os responsáveis pelo golpe de estado detidos no Sudão do Sul, como pediam os rebeldes.

Delegados da Igad viajaram na semana passada ao Sudão do Sul para se reunir, em um lugar secreto, com o ex-vice-presidente do país e atual líder rebelde, Riek Machar, uma tentativa de convencê-lo a retirar a libertação dos detidos como pré-condição para que o diálogo continuasse.

Os rebeldes anunciaram na segunda-feira que suas forças estavam se aproximando de Malakal e esperavam tomar a cidade em 24 horas.

O porta-voz informou então que as tropas do presidente sul-sudanês, Salva Kiir, foram derrotadas no domingo em vários lugares no condado de Juba, onde fica a homônima capital sulsudanesa.

Anteriormente, o exército sul-sudanês tinha tomado a cidade de Bentiu, capital do também estado petroleiro de Unidade.

A violência no Sudão do Sul explodiu em 15 de dezembro depois de uma tentativa de golpe de Estado, afirma o presidente Salva Kiir.

Para tentar evitar que a crise se transforme em uma guerra civil, vários países africanos realizam esforços mediadores em Adis-Abeba, e tanto os Estados Unidos como a União Europeia enviaram seus representantes especiais à região.

O Sudão do Sul se tornou independente de seu vizinho do norte, o Sudão, em julho de 2011. EFE