Rei da Espanha dissolve Parlamento e convoca nova eleição para 26 de junho

  • Por Fotos Públicas
  • 03/05/2016 10h27
Felipe VI de Espanha

O rei Felipe VI dissolveu o Parlamento da Espanha nesta terça-feira, após quatro meses de esforços fracassados para que os principais partidos formassem um governo. Além disso, o monarca convocou uma nova eleição para 26 de junho.

O decreto real era esperado desde a última semana, quando líderes partidários disseram ao rei, em reuniões separadas, que nenhum deles era capaz de conseguir o apoio da maioria simples no Parlamento de 350 membros para, com isso, se tornar primeiro-ministro. O decreto foi assinado horas após o prazo legal para a formação de um governo.

A Espanha enfrenta um impasse desde que dois partidos novos, o esquerdista Podemos e o liberal Ciudadanos, tiveram resultados fortes na eleição de 20 de dezembro, o que encerrou o período de décadas de domínio do conservador Partido Popular e do Partido Socialista Obrero Español (PSOE), de centro-esquerda. Com isso, criou-se uma situação de impasse no Legislativo.

O Parlamento que emergiu das eleições de dezembro acaba por ser o de vida mais curta no país desde o restabelecimento da democracia, em 1975, ano da morte do ditador Francisco Franco. Também foi a primeira vez que o Parlamento foi dissolvido no país pela razão de não se conseguir estabelecer um primeiro-ministro.

O decreto firmado pelo rei estabelece a data de 10 de junho para o início formal da campanha eleitoral. Segundo o texto, o novo Parlamento deve se reunir em 19 de julho.

Mariano Rajoy, primeiro-ministro espanhol, do Partido Popular, se elegeu em 2011 e seguirá no poder até que o novo Parlamento escolha um governo. Pesquisas recentes indicam que o partido dele deve terminar em primeiro novamente, mas por pouco sem a maioria no Legislativo. Com isso, novas negociações terão de ser realizadas, nesse atual quadro político mais fragmentado.