Resolução do Conselho Federal de Medicina aplica novas normas ao Samu

  • Por Tiago Muniz - Jovem Pan
  • 21/11/2014 14h13
SAMU

O Conselho Federal de Medicina colocou normas para profissionais do Samu tentando acabar com problemas de pronto-socorros como a retenção de macas.

O Serviço Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) existe no Brasil há mais de uma década e funciona por meio de parcerias da União com estados e municípios.

As vítimas atendidas pelo programa são levadas por ambulâncias que, muitas vezes, ficam paradas no pronto-socorro porque a maca fica retida no hospital.

O primeiro vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, diz que as instituições precisam ter leitos de retaguarda.

(Ouça detalhes das entrevistas nos áudios acima)

A resolução coloca uma série de orientações a serem seguidas pelos profissionais médicos que trabalham nos serviços de urgência.

Apesar disso, a professora da faculdade de saúde pública da USP, Laura Camargo, adverte que a iniciativa pode ser disputada judicialmente.

A resolução do CFM prevê ainda que o Samu priorize o atendimento de situações de urgência e não o transporte de pacientes entre hospitais.

Outra determinação é de que a coordenação, regulação e supervisão desse tipo de serviço sejam realizadas obrigatoriamente por um médico.