Retirada de equipamentos obsoletos reduziu armamento nuclear em 3% em 2014

  • Por Agencia EFE
  • 14/06/2015 20h03

Copenhague, 14 jun (EFE).- O armamento nuclear mundial foi reduzido em 3% em 2014 devido à retirada de equipamentos obsoletos, segundo informa o relatório anual apresentado neste domingo pelo Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (SIPRI).

As nove potências nucleares (Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França, China, Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte) possuíam em janeiro 15.850 armas nucleares, menos que as 16.350 de um ano antes, o que representa uma queda contínua em ritmo menor que há uma década.

Do total de ogivas nucleares, 4.300 estão ativas e cerca de 1.800 se encontram em estado de alerta operacional.

EUA e Rússia, que possuem mais de 90% do total, continuam a reduzir seus arsenais nucleares e estimulam programas de modernização “amplos e custosos”, ressalta o relatório.

As outras potências nucleares ou continuam a desenvolver e usar novos sistemas ou já anunciaram a intenção de fazer o mesmo.

“Apesar do renovado interesse internacional em priorizar o desarmamento nuclear, os programas de modernização em andamento nos países que possuem armas nucleares sugerem que nenhum deles renunciará a seus arsenais em um futuro próximo”, analisou Shannon Kile, pesquisadora do SIPRI.

O relatório do SIPRI destaca também que em 2014 houve 62 operações internacionais de paz, três mais que no ano anterior, embora o número de pessoas mobilizadas nelas foi reduzido em 20%, até 162.052.

Como consequência do fim da missão da Força Internacional de Assistência para a Segurança (Isaf) no Afeganistão, a África se tornou um foco ainda maior deste tipo de operações, se apropriando de grande parte delas e com mais pessoas mobilizadas que todas as outras combinadas, destaca o SIPRI. EFE