“Se o PT puder, vai botar o Lula de volta e não deixar a Dilma se candidatar”, diz José Serra

  • Por Jovem Pan
  • 11/04/2014 19h03
José Serra nos estúdios da Jovem Pan

José Serra foi o convidado do Jornal da Manhã desta sexta-feira. Após comentar as notícias, ele ainda falou com o repórter Anchieta Filho, em vídeo que pode ser visto abaixo.

Serra analisou pesquisas eleitorais divulgados recentemente e mostraram queda da popularidade da presidente Dilma Roussef. Para o político do PSDB, o que importa não é nem o levantamento das intenções de voto, mas da avaliação do governo atual. E mais de 60% dos brasileiros querem mudanças.

Para Serra, Dilma estaria à frente nas intenções porque os outros candidatos seriam ainda desconhecidos do público. Mas, na visão do tucano, se Dilma continuar caindo mais nos estudos eleitorais e o governo continuar sendo mal avaliado, ela pode nem ser a candidata petista ao Planalto. “Eu tenho a impressão de que, se der pé, se o PT puder fazer isso, eles vão botar o Lula de volta e não deixar a Dilma se candidatar, para evitar ou diminuir o risco da derrota”, diz Serra.

Serra falou novamente ainda sobre a CPI da Petrobras. Ele diz que, mesmo se a comissão parlamentar não for instaurada, as investigações sobre a empresa brasileira vão continuar. “A CPI é importante, mas não é tudo”, diz.

Serra afirma também que colocar outros temas de investigação na CPI, como os cartéis do metrô de São Paulo e o porto de Suape, em Pernambuco, “é só para atrapalhar”, e questiona por que essas averiguações não foram feitas antes. “A cada dia tem novidade, nós ficamos com uma noção mais clara do absurdo que se fez com a maior empresa do Brasil”, diz ainda.

Serra falou mais ainda sobre a questão do estádio da Copa do Mundo, uma vez que Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo FC, o acusa de não ter ajudado na escolha do Morumbi como palco da cidade para o evento esportivo. “Quando eu era governador, eu dei forças para que fosse o Morumbi”, diz Serra, negando as acusações. “Na época, eu constetava os requisitos, as exigências exageradas da Fifa”, ressalta.

Serra ainda lembra que Juvenal o acusa de não ter favorecido o tricolor por ser palmeirense, e brinca: “Entre Corinthians e São Paulo, não teria por que um palmeiense tomar posição, tá certo…”.

Sobre as faixas de ônibus implantadas po Haddad em Sãop Paulo, Serra também opinou. “São coisas feitas mais pelo anúncio, pela publicidade, para se dar a impressão de que se está trabalhando”, critica. “Que adiante ter corredor, faixa, se não tem ônibus?”, questiona, pedindo mais planejamento.

Sobre o futuro de sua carreira, Serra deixou em aberto a que cargo vai concorrer nas eleições de outubro, mas disse que ceramente será candidato.