Secretário diz que taxímetro continua sendo opção mais adequada para mensurar valor da viagem

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2015 09h22

Com nova opção por corrida de preço fechado, usuário de táxi precisa ficar atento para não ser lesado em pequenos trajetos na cidade de São Paulo. A Secretaria Municipal de Transportes publicou portaria autorizando que o taxista ofereça ao passageiro a opção de combinar antes o valor da viagem.

Com a medida, o taxímetro poderá não ser utilizado e o preço obedeceria uma tabela de preços definida pela distância em quilômetros. No entanto, na prática, o passageiro poderá ficar a mercê de profissionais mal intencionados devido à falta de fiscalização.

É comum em dias de grandes shows na cidade, os taxistas cobrarem preços fechados abusivos mesmo em trajetos com distâncias curtas. O secretário de Transportes, Jilmar Tatto, negou problemas ao usuário e disse que o taxímetro continua sendo a opção mais adequada na maioria dos casos.

O advogado Arthur Rollo, especialista em Defesa do Consumidor, entende que a novidade poderá lesar os passageiros. Em entrevista a Anderson Costa, o consultor da JOVEM PAN disse que usuários poderão ter dificuldades caso queiram pagar a corrida via taxímetro.

Segundo a coordenadora institucional da Proteste, descumprimento das regras devem ser denunciadas à ouvidoria da Prefeitura. Maria Inês Dolci explicou a Gustavo Aguiar que, se o passageiro se sentir lesado, ele pode pedir ao motorista que recalcule do valor.

O decreto que permite a cobrança por “preço fechado” sai um dia após a Prefeitura reajustar em 9 vírgula 8 por cento a tarifa dos táxis. A bandeirada comum passou de R$ 4,10 para R$ 4,50; o quilômetro rodado subiu de R$ 2,50 para R$ 2,75 na bandeira 1.