Secretário do Tesouro britânico reafirma postura firme de saída da UE

  • Por Estadão Conteúdo
  • 18/06/2017 12h38 - Atualizado em 29/06/2017 00h41
BRE19 LONDRES (REINO UNIDO) 20/02/2017.- Varias personas manifiestan con pancartas y ondean la bandera de la Unión Europea a las afueras del Parlamento en Londres, Reino Unido, hoy, 20 de febrero de 2017. Emigrantes a favor de la Unión Europea residentes en Reino Unido pusieron en marcha varias manifestaciones en contra de la activación del "brexit" para la salida del Reino Unido de la Unión Europea (UE). La Cámara de los Lores (alta) empieza a debatir hoy el proyecto de ley que debe autorizar la activación del "brexit", la salida del Reino Unido de la Unión Europea. La primera ministra británica, Theresa May, ha indicado que es su intención invocar el artículo 50 del Tratado de Lisboa, que inicia el proceso formal de negociaciones sobre la retirada de un país comunitario, antes de que termine el próximo mes de marzo. EFE/Andy RainManifestação contra o Brexit - EFE

O Reino Unido vai “definitivamente” sair da União Europeia, do mercado único e da união aduaneira, disse o secretário do Tesouro britânico, Phillip Hammond, negando a especulação de que o resultado inconclusivo da recente eleição parlamentar britânica poderia afetar a postura do país na negociação de sua saída da União Europeia, o chamado Brexit.

“Sim, definitivamente, estamos deixando a UE e, porque estamos saindo da UE, iremos deixar o mercado único. E, por sinal, vamos deixar a união aduaneira”, disse Hammond à rede BBC. “A questão não é se estamos deixando a união aduaneira, a questão é o que colocamos em seu lugar para cumprir os objetivos… de não ter fronteira dura na Irlanda e de permitir que os bens britânicos fluam livremente pela fronteira com a União Europeia”.

A primeira-ministra Theresa May realizou na semana passada reuniões com autoridades do Partido Unioista Democrático (DUP, na sigla em inglês) da Irlanda do Norte, tentando discutir uma aliança, após o fracasso de seu Partido Conservador em conseguir maioria na eleição parlamentar.

Críticos disseram que o resultado da eleição equivale à rejeição da estratégia de negociação de May, que prevê uma ruptura ampla com o bloco. Um acordo com o DUP, que quer uma fronteira “sem resistência” com a Irlanda, também pode alterar os objetivos da Grã-Bretanha nas negociações.

Às portas da primeira rodada de negociações entre a UE e Reino Unido, a ser iniciada nesta segunda-feira, Hammond também adotou um tom crítico em relação às demandas financeiras de Bruxelas, acusando-a de uma postura “atrevida”.

Ele criticou as autoridades da UE que dizem que o Reino Unido terá de pagar cerca de 55 bilhões de euros a 60 bilhões de euros para deixar o bloco, uma conta que cobre uma série de compromissos passados feitos pelo Reino Unido e que ainda não foram pagos. “Não reconheço essas somas”, disse ele. “Eu acho que esta é a postura de pré-negociação mais ofensiva que já vi há muito tempo”.

As conversações entre UE e Reino Unido terão de ser concluídas e um acordo alcançado até o final de março de 2019, a menos que todos os governos da UE concordem com uma extensão.