Senado aprova missão que investigará denúncias contra Petrobras na Holanda

  • Por Agencia EFE
  • 13/03/2014 18h43

São Paulo, 13 mar (EFE).- O Senado decidiu reforçar a missão criada pela Câmara dos Deputados e que viajará para Holanda para se informar sobre as investigaçõs abertas contra a Petrobras por supostas irregularidades em milionários contratos com a holandesa SBM Offshore.

A Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou hoje a criação de uma delegação para seguir as investigações contra a maior empresa do país e autorizou sua viagem à Holanda, informou a câmara alta em seu site.

O Senado “tem a obrigação de acompanhar as investigações”, afirmou o senador Aloysio Nunes, do opositor Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em declarações ao serviço de notícias Agência Senado.

A Câmara dos Deputados já tinha aprovado na terça-feira a criação de uma comissão legislativa para investigar as denúncias sobre subornos supostamente pagos entre 2005 e 2012 pela SBM Offshore a altos funcionários da Petrobras para ganhar licitações para o arrendamento de plataformas petrolíferas marítimas.

As denúncias, reveladas pela imprensa holandesa há um mês, se apoiam no testemunho de um ex-empregado da SBM Offshore à Procuradoria holandesa sobre práticas de corrupção dessa empresa.

“A gravidade das denúncias motivou a elogiável iniciativa da Câmara dos Deputados e deve competir também ao Senado Federal participar efetivamente do processo”, afirmou Nunes.

A julgamento do senador, “devido ao caráter internacional do assunto, estamos convencidos de que esta Comissão tem que estar a par dos fatos com a maior proximidade possível”.

Segundo versões de meios de comunicação locais, a Polícia Federal também abriu duas investigações contra a Petrobras, uma pelas irregularidades no contrato com a companhia holandesa e outra pela compra de uma refinaria em Pasadena, Estados Unidos.

De acordo com as versões, a Polícia Federal decidiu abrir a investigação sobre as supostas irregularidades na Holanda após a decisão da câmara baixa no mesmo sentido.

No caso da refinaria em Pasadena (Texas) a investigação policial foi aberta perante irregularidades assinaladas em um relatório elaborado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

A Polícia Federal, consultada pela Efe, nem confirmou e nem negou o início das investigações, mas esclareceu que, se estiverem em andamento, estão protegidas pelo sigilo.

A Petrobras, por sua parte, informou que não se “pronuncia” sobre investigações. EFE