Sharon será enterrado na segunda-feira em seu rancho

  • Por Agencia EFE
  • 11/01/2014 22h25

Jerusalém, 11 jan (EFE).- O ex-primeiro-ministro israelense Ariel Sharon, que morreu neste sábado em Tel Aviv aos 85 anos, será enterrado na segunda-feira em seu rancho do deserto de Neguev, no sul de Israel, após receber honras fúnebres em cerimônia no Parlamento (Knesset).

Assim foi resolvido esta noite pela Comissão Ministerial de Protocolos e Cerimônias, liderada pela ministra de Cultura e Esporte israelense, Limor Livnat, informou um comunicado oficial.

Segundo o programa oficial, o corpo de Sharon permanecerá no domingo em um caixão coberto com a bandeira de Israel entre as 12h e 18h (8h e 16h de Brasília) na Knesset, para que os israelenses que desejarem possam dar a ele seu último adeus.

Segunda-feira está previsto que às 9h30 (5h30 em Brasília) comece uma cerimônia oficial na mesma sede parlamentar, onde está prevista a presença de personalidades políticas e dignatários que renderão assim tributo à figura do ex-líder israelense.

No mesmo dia às 14h (10h em Brasília) Sharon será enterrado em seu rancho-fazenda de Sicomoros, situado no deserto de Neguev, junto ao túmulo de sua falecida esposa Lili, por seu expresso desejo.

Está previsto que o enterro tenha caráter privado e o número de presentes seja limitado.

A comissão ministerial coordenou sua decisão com os dois filhos do falecido político, Gilad e Omri, que neste sábado foram ao túmulo de sua mãe para supervisionar os preparativos do enterro e honras fúnebres.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai participar do funeral segundo informou a Casa Branca, e se prevê além disso a participação do enviado especial do Quarteto do Oriente Médio, Tony Blair, o ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, e outros líderes europeus.

Sharon será enterrado de acordo com o ritual judeu segundo o qual o corpo deve estar coberto, já que exibi-lo é considerado desonroso.

No ritual funerário judeu é de suma importância que o enterro seja realizado o mais rápido possível, preferencialmente no mesmo dia, apesar de seu adiamento ser permitido se o objetivo for honrar o falecido. EFE