SP começa a restaurar Monumento do Ipiranga

  • Por Estadão Conteúdo
  • 08/09/2016 08h23
Parque da Independência, onde está localizado o museu do Ipiranga, foi considerado grande valor histórico pelo juizParque da Independência

Não é de hoje que frequentadores do Parque da Independência, no entorno do Museu Paulista, mais conhecido como Museu do Ipiranga, reclamam da deterioração do monumento que abriga, em seu subsolo, a cripta imperial – onde repousam os restos mortais do imperador D. Pedro I e de suas duas mulheres, Leopoldina e Amélia.

Pois, nesta Semana da Pátria, finalmente, depois de dois anos de estudos, foi dado o pontapé inicial nas obras de restauro da obra, chamada oficialmente de Monumento à Independência. Nesta primeira fase, será recuperado o conjunto escultórico de bronze localizado na face frontal do monumento – trata-se de reprodução, em baixo relevo, do quadro “Independência do Brasil”, de Pedro Américo.

O projeto de restauro foi desenvolvido nos últimos dois anos pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) do Município, órgão da Secretaria Municipal de Cultura. O investimento na recuperação do painel é de R$ 1.098.709,23, com recursos do Funcap, um fundo municipal destinado à proteção do patrimônio cultural e ambiental da capital. O trabalho é coordenado pelo especialista francês Antoine Amarger, responsável pela conservação de obras do Museu Rodin, em parceria com a empresa KSA Fundição Artística.

No total, dez escultores e restauradores trabalham no local – cinco brasileiros, três franceses, uma argentina e uma tunisiana “Estamos substituindo a ancoragem, que fixa a obra e está enferrujada, de ferro por aço inoxidável”, afirma o escultor brasileiro Israel Kislansky. “Em seguida, iremos usar jateamento com cascas de plantas para limpar o painel de cobre.” Pelo contrato, a equipe tem seis meses para concluir a obra – mas, segundo Kislansky, a previsão é efetuar na metade do tempo. 

O estudo preparatório, que definiu as obras atualmente em execução, também analisou as condições de todas as demais obras do conjunto e ainda a parte estrutural do monumento. Entretanto, ainda não há uma definição se será a mesma equipe que vai recuperar o restante, tampouco quando o trabalho será contratado.

Histórico 

O Monumento à Independência fica no parque homônimo, no Ipiranga, perto do Museu Paulista. É obra do artista italiano Ettore Ximenes (1855-1926) e foi escolhido em um concurso que o governo estadual promoveu em 1917.

Inaugurado em 1922 para celebrar o primeiro centenário da emancipação política do Brasil, o Monumento à Independência guarda os restos mortais da imperatriz Leopoldina – desde a construção da cripta, em 1953 -, do imperador d. Pedro I – desde 1972 – e de d. Amélia, segunda mulher do imperador – desde 1984.