Suprema Corte dos EUA legaliza casamento gay em todo o país

  • Por EFE
  • 26/06/2015 11h34
EFE/Jim Lo Scalzo Homem durante manifestação a favor da legalização do matrimônio homossexual em frente ao Tribunal Supremo de Washington

Washington, 26 jun (EFE).- A Suprema Corte dos Estados Unidos legalizou nesta sexta-feira o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo o país, uma decisão histórica que anula o poder dos estados de proibir as uniões entre homossexuais.

Os EUA são uma federação e cada estado tem sua autonomia jurídica. A questão homossexual vinha em discussão por muitos anos no conflito entre autoridades estaduais e federais.

O presidente Barack Obama comemorou a decisão pelo Twitter: “Hoje é um grande passo na marcha em direção à igualdade. Casais gays e lésbicos agora têm o direito de se casar, assim como qualquer outra pessoa. #Oamorvence”, disse.

 Desta maneira e a partir de hoje, o casamento homossexual é um direito constitucional nos EUA, o que obriga os 13 estados do país que ainda o proibiam a permitir que pessoas do mesmo sexo se unam com o amparo da lei.

A decisão dos nove juízes que formam a Suprema Corte foi tomada após uma votação de cinco votos a favor da legalização e quatro contra.

A medida não entrará em vigor imediatamente porque a Suprema Corte concede ao litigante que perdeu o caso aproximadamente três semanas para solicitar uma reconsideração.

O caso analisado pela decisão de hoje se referia aos estados de Kentucky, Michigan, Ohio e Tennessee, onde o casamento é definido como a união entre um homem e uma mulher.

Esses estados não permitiram que os casais do mesmo sexo se casassem em seu território e também se negaram a reconhecer os casamentos válidos em outros estados do país.

Há dois anos, a Suprema Corte anulou parte da lei federal contra o casamento gay, que negava uma série de benefícios governamentais para os casais do mesmo sexo que tinham se casado legalmente.

Centenas de pessoas se reuniram nos arredores da Suprema Corte, no centro de Washington, para comemorar a decisão dos juízes.

O governo do presidente Barack Obama já tinha manifestado abertamente sua postura a favor do casamento homossexual depois que, pela primeira vez, o próprio líder declarou apoio à causa em 2012.