Tempestade tropical Carlos causa primeira morte no oeste do México

  • Por Agencia EFE
  • 12/06/2015 17h25

Cidade do México, 12 jun (EFE).- A tempestade tropical Carlos, que continua nesta sexta-feira estacionada no litoral do estado de Guerrero, causou a primeira morte em Jalisco, no oeste do México, informaram fontes oficiais.

O engenheiro Cristo Nomar Pérez Chavarría morreu hoje em um hospital após ficar gravemente ferido na queda de uma estrutura de metal em Guadalajara, capital do estado de Jalisco, pelos efeitos de Carlos, confirmou o escritório de Defesa Civil À Agência Efe.

O desabamento da estrutura instalada fora do Auditório Telmex, onde acontece um fórum petroleiro, deixou 59 pessoas feridas na noite de quinta-feira.

O Serviço Meteorológico Nacional (SMN) indicou em comunicado que Carlos permanece a cerca de 260 quilômetros de Acapulco, e a 345 quilômetros de Lázaro Cárdenas, em Michoacán.

O fenômeno natural gera ventos máximos constantes de 95 km/h e sequências de até 110 quilômetros, precisou.

O SMN uma área de vigilância pelos ventos da tempestade tropical desde Acapulco até Zihuatanejo, em Guerrero.

O sistema aumentou umidade no centro e no sul do México, com potencial de tempestades elétricas e chuvas intensas, de 75 a 150 milímetros, nos estados de Guerrero, Oaxaca e Chiapas.

Por causa de Carlos estão previstas precipitações muito fortes (de 50 a 75 milímetros) em Michoacán e Colima, e fortes em Puebla, Morelos e no estado do México.

O SMN advertiu do risco de ondas de 1,5 a 2,5 metros no litoral oriental de Oaxaca, de 2 a 3 metros Colima, de 3 a 4 metros em Guerrero e Michoacán, e que podem chegar a ter entre 4,5 e 5,5 metros em zonas marítimas.

O Sistema Nacional de Defesa Civil pôs em alerta amarelo (perigo moderado) o sul de Guerrero e o sudoeste de Oaxaca.

As autoridades de Guerrero estão em alerta diante do fortalecimento e da aproximação de Carlos, e suspendeu as aulas nas escolas, e o serviço de creches do Instituto Mexicano de Seguridade Social.

O secretário de Defesa Civil de Guerrero, Raúl Miliani, informou na quinta-feira do fechamento do porto de Acapulco para embarcações menores e maiores, e pescadores e prestadores de serviços turísticos ancoraram suas embarcações na baía ou as retiraram da faixa de areia.

Os meteorologistas previram que Carlos se tornará furacão categoria 1 no domingo, às 7h (9h em Brasília), a 205 quilômetros a sudoeste de Zihuatanejo, em Guerrero, com ventos constantes de 120 km/h e sequências de 150km/h.EFE

pmc/cd